Farc admitem que filho de Clara Rojas não está com o grupo

As Forças Armadas Revolucionárias daColômbia (Farc) admitiram na sexta-feira que não estão com omenino que prometeram soltar na semana passada, em uma operaçãode libertação de reféns mediada pela Venezuela. O grupo acusouo governo colombiano de capturar a criança quando ela seencontrava prestes a ser liberada. Muitos colombianos passaram o fim de ano na expectativa dalibertação de Emmanuel, nascido no cativeiro há cerca de trêsou quatro anos. Contudo, resultados de testes de DNA anunciados pelasautoridades na sexta-feira mostraram que o garoto já vivia emum orfanato de Bogotá, depois de ter sido transferido pelosrebeldes em 2005. A revelação afetou a credibilidade da guerrilha, que haviase comprometido a entregar o menino e dois outros reféns aopresidente da Venezuela, Hugo Chávez. O acordo para soltar Emmanuel, a sua mãe, Clara Rojas, e alegisladora Consuelo González ruiu na segunda-feira, quando osguerrilheiros acusaram o Exército de intensificar as operaçõesna região de selva onde eles seriam libertados. "A opinião pública nacional e internacional entende muitobem que Emmanuel não poderia estar em meio às operações bélicasdo Plano Patriota, dos bombardeios e combates, da mobilizaçãopermanente e das contingências da selva", disseram as Farc emnota à imprensa. "Por isso, o menino, de pai guerrilheiro, havia sidodeixado em Bogotá, sob o cuidado de pessoas honradas, enquantose firmava o acordo humanitário", acrescentou o grupo,afirmando ainda que o presidente colombiano, Alvaro Uribe,"sequestrou Emmanuel com o objetivo miserável de sabotar alibertação dos reféns". Mas o presidente acusou as Farc de mentirem. O episódio piora as perspectivas para novas negociaçõessobre reféns levados pelas Farc, apesar de o comunicadoreiterar a disposição dos guerrilheiros em libertar Rojas andGonzález. As Farc mantêm cerca de 750 reféns, entre eles aex-candidata à Presidência da Colômbia Ingrid Betancourt, que áfranco-colombiana, e três norte-americanos capturados duranteoperações antidrogas no país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.