Farc anunciam libertação de 6 reféns dos 'passíveis de troca'

Libertados serão três policiais, um militar e dois civis, informou Secretariado do grupo

Efe

21 de dezembro de 2008 | 19h58

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) anunciaram neste domingo, 21, que, em breve, libertarão de maneira unilateral seis das 28 pessoas que mantêm seqüestradas com fins de troca por insurgentes presos.   Veja também: O drama de Ingrid  Por dentro das Farc  Histórico dos conflitos armados na região     Os libertados serão três policiais, um militar e dois civis, informou o Secretariado (comando central) das Farc em nota divulgada pela Agencia de Noticias Nueva Colombia (ANNCOL), ligada ao grupo rebelde.   Os civis são o ex-governador Alan Jara e o ex-deputado Sigifredo López, os dois únicos civis da lista de troca que continuam em poder da guerrilha, que não identificou os policiais que serão libertados.   As Farc indicaram que os entregarão "em dois períodos", previsivelmente como fizeram em janeiro e fevereiro com os quatro ex-congressistas e outros dois civis que libertaram, também de forma unilateral, graças a gestões do presidente venezuelano, Hugo Chávez, e da congressista opositora colombiana Piedad Córdoba.   A legisladora deverá formar o comitê de recepção dos reféns que serão libertados, segundo antecipou o Secretariado rebelde, que tornou pública sua decisão em mensagem ao coletivo Colombianos pela Paz, datada de 17 de dezembro.   O coletivo é formado por vários intelectuais, estudiosos do conflito, escritores e políticos, entre eles Córdoba, que há dois meses convidou as Farc a uma "troca epistolar", que os rebeldes aceitaram.   "Como mostra indubitável da vontade que nos assiste e como gesto que aponta para gerar condições favoráveis à troca humanitária, anunciamos a próxima libertação unilateral de seis prisioneiros em dois períodos", diz a mensagem, datada de 17 de dezembro nas Montanhas da Colômbia.   Os reféns "serão entregues a vocês, como 'colombianos pela paz da Colômbia' liderados pela senadora Piedad Córdoba", acrescenta o Secretariado, liderado por "Alfonso Cano", sucessor do fundador das Farc, "Manuel Marulanda", que morreu em março.   A nota detalha que "primeiro serão libertados três policiais e um soldado, e a seguir, o senhor Alan Jara e o deputado Sigifredo López".   "As condições de modo, tempo e lugar serão especificadas em seu devido momento", diz a nota divulgada pela ANNCOL.   O anúncio é o primeiro sobre reféns feito pelas Farc após uma operação militar disfarçada na qual foram libertados 15 seqüestrados e a deserção de um carcereiro, que fugiu com outro refém.   No primeiro caso, as Forças Militares colombianas recuperaram a franco-colombiana Ingrid Betancourt, três americanos e 11 militares e policiais, todos eles cativos nas selvas do leste, enquanto no segundo voltou à liberdade o ex-congressista Óscar Tulio Lizcano.   Ampliada às 20h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.