Farc e ELN se unem contra EUA e Uribe na Colômbia

Grupos têm diferenças ideológicas, mas convergem na luta contra a política de segurança do presidente

Reuters,

17 de dezembro de 2009 | 11h37

Os dois maiores grupos rebeldes da Colômbia informaram nesta quinta-feira, 17, que podem unir suas forças contra as Forças Armadas do país após anos na defensiva por conta das políticas de segurança do presidente Álvaro Uribe respaldadas pelos EUA.

 

Veja também:

link83% dos colombiano aprova terceiro mandato de Uribe

especialEspecial: Por dentro das Farc

 

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e o Exército da Libertação Nacional (ELN) emitiram um surpreendente comunicado em conjunto no qual ameaçaram unir-se "com força e armamentos" em sua luta contra Uribe. Os dois grupos, considerados terroristas por Washington, têm grandes diferenças ideológicas, mas consideram a hipótese da união para sobreviverem.

 

"Estamos no caminho para trabalhar em conjunto. Nosso único inimigo é o imperialismo norte-americano e seus lacaios oligarcas", afirma o documento dos grupos, publicado no site da agência ANNCOL, que geralmente é o canal para a divulgação de comunicados dos rebeldes.

 

O ELN, formado por padres católicos renegados e inspirados no movimento da teologia da libertação de 1960, se confrontou diversas vezes com os esquerdistas das Farc.

 

Ameaça

 

"Agora eles têm algo em comum já que estão seriamente posicionados contra Uribe, disse Mauricio Romero, analista político da Universidade Javeriana de Bogotá. "Mas a união será, em sua maior parte, simbólica. Seus comandos e suas capacidades foram seriamente desgastadas e mesmo que juntem suas forças, não serão uma grande ameaça para as forças de segurança de Uribe", avalia.

 

O ELN afirma ter 5 mil rebeldes, enquanto o governo estima que as Farc tenham cerca de 9 mil militantes dedicados à extorsão, ao sequestro e ao tráfico ode drogas.

 

Uribe, cujo pai foi morto em um sequestro realizado pelas Farc em 1983, é visto como um herói por seus esforços contra a os grupos rebeldes colombianos. Suas medidas tiveram o apoio financeiro de bilhões de dólares dos EUA.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaFarcrebeldesELNUribeEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.