Farc entregam oito reféns à Cruz Vermelha

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) entregaram ao Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) oito colombianos que passaram uma semana em cativeiro, disse a entidade na quinta-feira, 24. Os reféns haviam sido sequestrados no dia 17, quando faziam turismo de lancha no Departamento do Chocó (noroeste). "A operação foi possível graças à interlocução confidencial e discreta das partes envolvidas, e sob a ação humanitária, neutra e independente do CICV", disse nota da entidade, sem identificar os libertados e atribuindo a iniciativa da operação às Farc. A mediação do CICV atenua os temores de que esse tipo de esforço ficaria inviabilizado depois que, no dia 2, o governo usou o emblema da entidade de modo abusivo na operação que resultou na libertação da ex-candidata a presidente Ingrid Betancourt e de mais 14 reféns das Farc. "É importante que todas as partes envolvidas no conflito da Colômbia continuem confiando na nossa organização e tendo respeito pelo emblema da Cruz Vermelha", disse Yves Heller, porta-voz da organização no país. O Comitê Internacional da Cruz Vermelha abriu mão de medidas jurídicas contra a Colômbia depois que o presidente Álvaro Uribe reconheceu que foi um erro ter usado o emblema, que está protegido pelo direito internacional humanitário. Horacio Palacios, um dos libertados, disse a jornalistas que os rebeldes deixaram claro que vão continuar realizando seqüestros na região se os empresários do transporte fluvial não pagarem um pedágio à guerrilha. "Nos mandaram um recado aos das empresas de que, se não se entenderem, cada barco que pegarem será um barco a ser afundado, e o motorista [piloto] que assumir vai por sua responsabilidade, porque vão matá-lo", relatou. Além de cerca de 25 reféns "políticos", que podem ser trocados por guerrilheiros presos, as Farc mantêm centenas de pessoas seqüestradas com a intenção de receber resgates em dinheiro. A guerrilha sofreu duros golpes neste ano, como a morte de seu fundador, Manuel Marulanda, e alguns observadores acham que isso pode alterar seu funcionamento. "À medida que as Farc começam a se fragmentar, esperamos ver mais seqüestros individuais, como uma frente desesperada para conseguir dinheiro", disse o analista César Restrepo, da Fundação Segurança e Democracia. (Reportagem de Nelson Bocanegra, com colaboração de Hugh Bronstein)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.