Farc entregarão corpos de reféns no sábado, diz governo

A principal guerrilha esquerdista daColômbia vai entregar no sábado os corpos de 11 deputadosregionais mortos no cativeiro após anos de sequestro, disse naquinta-feira o presidente Álvaro Uribe. As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) secomprometeram a entregar os corpos depois de anunciar a mortedos reféns, no final de junho, mas até agora não o fizeramalegando problemas de segurança. Em um ato oficial, Uribe disse ter recebido a informação deque os rebeldes entregarão os corpos em 1o de setembro, ecomentou: "Eles os mataram em 18 de junho. Que aconteceu comesses cadáveres? Bendito seja meu Deus!" Os deputados mortos faziam parte de um grupo de 60 refénsque as Farc tentam trocar por centenas de guerrilheiros presos.Eles haviam sido capturados em abril de 2002 na AssembléiaLegislativa de Cali por um grupo de guerrilheiros disfarçadosde soldados. "Nós não temos informação nesse sentido, mas seguimostrabalhando com discrição para conseguir recuperar os corpos",disse à Reuters um porta-voz do Comitê Internacional da CruzVermelha. A guerrilha diz que os reféns foram mortos num ataque deuma guarnição militar não-identificada ao cativeiro em que erammantidos no meio da selva. Já o governo diz que as Farc os executou em meio a umcombate entre duas colunas guerrilheiras na selva, por erros decomunicação e coordenação. A Cruz Vermelha recebeu no começo de julho uma solicitaçãoda guerrilha para receber os cadáveres dos políticos, e desdeentão mantém gestões para esse fim com autorização do governo. A imprensa diz que a entrega acontecerá perto da localidadede Caloto, departamento do Cauca, uma zona montanhosa nosudoeste do país, onde durante anos houve presença daguerrilha. Há mais de um mês, as Farc aceitaram que uma comissãoforense internacional investigue as circunstâncias da morte dosdeputados. Mas, de acordo com especialistas, a demora na entrega doscadáveres dificulta a atuação dos legistas, já que o processode decomposição apaga evidências científicas. Em poder das Farc continuam outros 49 reféns, inclusive aex-candidata a presidente Ingrid Betancourt, trêsnorte-americanos, um ex-governador e vários militares epoliciais. Alguns já estão há quase dez anos no cativeiro. O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, chega nasexta-feira à Colômbia para se reunir com Uribe e tentapromover um acordo humanitário para a troca de reféns porpresos das Farc.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.