Farc enviaram 'prova de vida' de outros reféns, diz Córdoba

Provas entregues para Chávez se referem a um grupo de 'oito a dez' ex-congressistas e policiais

Efe,

11 de janeiro de 2008 | 00h56

A senadora colombiana Piedad Córdoba confirmou que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) enviaram ao presidente venezuelano, Hugo Chávez, novas "provas de vida" de seqüestrados. As provas foram entregues à ex-congressista colombiana Consuelo González de Perdomo, libertada nesta quinta-feira, 10. Veja também:Galeria de fotos do resgate das reféns Farc não devem ser elogiadas por ação, diz assessor de UribeReféns agradecem a ChávezSarkozy celebra resgateEUA aplaudem libertação Mãe de Clara Rojas comemora libertaçãoAssista às imagens da libertação Saiba quem são as refénsEntenda o que são as FarcCronologia: do seqüestro à libertação Segundo Córdoba, as "provas de vida" se referem a um grupo de "oito a dez" reféns, em sua maioria ex-congressistas. Alguns deles conviveram durante seu cativeiro com González de Perdomo, liberada esta manhã pelo grupo guerrilheiro ao lado da ex-candidata a vice-presidente Clara Rojas. A senadora colombiana falou aos jornalistas no hotel de Caracas onde estão hospedadas as duas ex-reféns liberadas nesta quinta. Ela revelou que há "provas de vida de Alan Jara, Jorge Turbay, Gloria Polanco, Orlando Beltrán, Eduardo Gechem", de um coronel de sobrenome Mendieta, um homem chamado William e "outros policiais e soldados". Anteriormente, Córdoba havia mencionado provas de vida de um outro grupo de "dez soldados". As provas de sobrevivência "são cartas e fotos", declarou Córdoba. Ela disse ainda que não havia vídeos dos seqüestrados. Em declarações à imprensa colombiana, ao chegar a Caracas, Clara Rojas tinha dito que trazia algumas provas de sobrevivência e anunciou que em breve chegariam mais registros de outros reféns das Farc. Segundo Rojas, as provas foram entregues esta manhã ao ministro do Interior venezuelano, Ramón Rodríguez Chacín, durante a operação de resgate na floresta. O ministro deu os documentos ao presidente Chávez. Córdoba explicou que, além disso, o presidente venezuelano teria recebido nesta quinta-feira de Chacín uma carta das Farc. Consuelo González de Perdomo e Clara Rojas foram liberadas nesta quinta-feira pelas Farc no departamento colombiano de Guaviare. Foram recolhidas por uma missão humanitária liderada pela Venezuela e integrada pela senadora Córdoba, pelo ministro Chacín e pelo embaixador cubano em Caracas, Germán Sánchez, além de representantes do Comitê Internacional da Cruz Vermelha. Segundo a senadora, as ex-reféns deverão dar uma entrevista coletiva no hotel, onde vão descansar esta noite, nesta sexta-feira. Córdoba também opinou que a libertação das duas mulheres abre um processo para a soltura de mais pessoas seqüestradas pelas Farc.

Tudo o que sabemos sobre:
Farc

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.