Farc informam onde entregarão corpos de deputados mortos

Corpos serão transportados para Cali pela Cruz Vermelha e especialistas confirmarão a identificação deles

Efe,

02 de setembro de 2007 | 01h22

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) disse no sábado, 1, que já tem a informação precisa sobre o local onde as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) entregarão os corpos de 11 deputados colombianos mortos quando estavam em seu poder. Dez militares colombianos morrem em emboscada das Farc  O CICV, em comunicado divulgado na noite de sábado em Cali, após reunir-se com familiares dos ex-deputados mortos, assinalou que "recebeu das Farc a informação sobre a localização dos cadáveres dos ex-deputados para antecipar uma missão que o permita viajar à região e recuperar os restos mortais". Acrescenta que também recebeu a autorização do governo colombiano "e as garantias de segurança de todas as partes concernidas para poder realizar esta missão humanitária". Uma delegação do CICV acompanhada do ex-ministro Álvaro Leyva Durán sairá "em breve a uma zona determinada", que não foi informada, para recuperar os corpos e transportá-los a Cali, onde "especialistas legistas dos três países amigos", França, Suíça e Espanha, coordenados pela Organização dos Estados Americanos, confirmarão a identificação dos restos mortais. No entanto, o CICV afirmou que "não pode confirmar a data exata" da chegada dos restos mortais dos deputados regionais a Cali e reiterou a importância de "administrar esta situação de maneira confidencial e discreta". Fabiola Perdomo, viúva de Juan Carlos Narváez, ex-presidente da Assembléia do Valle del Cauca, disse que não tinha mais informações do que as fornecidas pela Cruz Vermelha. No entanto, disse que "esta é a primeira vez em que o fim desta tragédia parece se aproximar". Dos 12 deputados, seqüestrados pelas Farc em abril de 2002, onze morreram no dia 18 de junho no sudoeste do país. Segundo a guerrilha, que informou sobre as mortes dez dias depois, elas aconteceram devido ao "fogo cruzado" com um grupo armado não identificado. O presidente colombiano, Álvaro Uribe, tinha dito que a entrega dos corpos dos 11 deputados ocorreria no sábado, 1, o que não aconteceu. Apesar das explicações das Farc, o governo colombiano afirma que os deputados foram mortos por essa guerrilha e continuamente reivindica a devolução dos cadáveres para "pôr um fim a este drama".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.