Farc são problema da Colômbia, diz Lula

Na Holanda, presidente afirma que o governo brasileiro "não se mete onde não é chamado"

Efe,

11 de abril de 2008 | 09h59

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva insistiu nesta sexta-feira, 11, que seu governo não deve se envolver na questão dos reféns das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que, segundo ele, é um problema estritamente colombiano.  Jobim diz que Farc serão recebidas a tiros se invadirem o BrasilBrasil é chave para acordo com Farc, diz SamperSinais particulares de Ingrid, por LoredanoConheça a trajetória de Ingrid Betancourt Por dentro das Farc Entenda a crise  Histórico dos conflitos armados na região   "As Farc não são um problema nosso, mas da Colômbia, e o Brasil não se mete onde não é chamado", disse Lula à imprensa no último dia de sua visita de Estado à Holanda. Parentes da política franco-colombiana Ingrid Betancourt, como seu filho Lorenzo Delloye, pediram que o Brasil tenha um papel mais ativo a favor da libertação dos seqüestrados. Durante os últimos anos, o governo brasileiro ofereceu seu território para realizar negociações, e disse que está disposto a ajudar como for necessário, se for solicitado pela Colômbia, o que até agora não aconteceu. Na terça-feira passada, o Ministério das Relações Exteriores brasileiro voltou a pedir a libertação de Ingrid, ex-candidata presidencial em seu país e refém das Farc desde 2002. Em nota oficial, o ministério também elogiou os últimos passos dados pelo governo do presidente colombiano, Álvaro Uribe, e condenou a "prática inaceitável" do seqüestro.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcColômbiaBrasilIngrid Betancourt

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.