Farc silenciam sobre Ingrid Betancout, diz França

Uma missão médica da França aindaaguarda uma autorização das Farc para fornecer tratamento àrefém franco-colombiana Ingrid Betancout, disse o ministro doExterior da França, Bernard Kouchner, no sábado. Uma aeronave francesa carregando pelo menos um médicochegou à capital colombiana, Bogotá, na quinta-feira. ela agoraestá em uma base militar esperando voar para dentro da selva ecuidar de Betancourt, que há seis anos é refém da guerrilha,assim que receber autorização de seus sequestradores marxistas. As Farc ainda não deram nenhuma indicação de que permitirãoo acesso dos franceses, mas Kouchner disse que a equipe estavapreparada para esperar. "Nós estamos lá e estamos determinados a prosseguir. Nósestamos agora sperando notícias das Farc", disse ele à TVFrance 2. "Nós estamos em alerta, ainda não acabou", afirmou,acrescentando que todos os lídees sul-americanos apoiam amissão francesa, incluindo o presidente da Colômbia, AlvaroUribe, e o da Venezuela, Hugo Chávez. Betancourt, sequestrada pelas Farc quando fazia suacampanha à presidência da Colômbia em 2002, é a mais célebrerefém das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, as Farc. Segundo a França, ela está muito doente, sofrendo dehepatite e outras doenças. "Nós temos recebido informaçõesmuito preocupantes sobe o estado de saúde de Ingrid Betancourte os outros reféns', disse Kouchner. Um alto comandante das Farc, Rodrigo Granda, disse naquinta-feira que Betancourt não seria imediatamente libertada.Ele afirmou que alguns reféns, como os três cidadãosnorte-americanos e dezenas de políticos, policiais e soldados,somente poderiam ser soltos através de um acordo negociado paratrocá-los por guerrilheiros presos. Ele não disse se a equipe médica poderia entrar nosacampamentos na selva. (Por Crispian Balmer)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.