Arquivo/Efe
Arquivo/Efe

Fariñas recebe visita de oficial de segurança do governo cubano

Segundo dissidente, major pediu que ele abandone sua greve de fome

21 de março de 2010 | 23h40

Efe

 

SANTA CLARA- O dissidente cubano Guillermo Fariñas, em greve de fome hás 26 dias, afirmou ter recebido neste domingo, 21, a visita de um oficial de segurança do governo que o pediu que abandone seu jejum, a quem respondeu que continuará com a greve, e que nada o fará desistir.

 

Veja também:

linkDamas de Branco terminam sete dias de protestos em Cuba

Artigo: Você é um preso político cubano

Entrevista: "Sinto que fui enterrado vivo", diz preso político cubano

linkRepressão cubana adota métodos mais discretos

 

Fariñas disse à Efe que o major Héctor de la Fe, primeiro enviado do governo que o visita, o comunicou que o Ministério do Interior está "muito preocupado" com sua saúde, devido às sequelas de 22 greves de fome anteriores.

 

O psicólogo e jornalista de 48 anos conversou com a Efe por telefone da unidade de terapia intensiva do hospital Arnaldo Milián Castro, em Santa Clara, 270 km a leste de Havana, onde foi internado no último dia 11, após sofrer um segundo desmaio.

 

Fariñas parou de se alimentar em 24 de fevereiro para pedir ao regime castrista a liberação de 26 presos políticos doentes, um dia depois da morte do opositor Orlando Zapata, que ficou 85 dias em greve de fome por melhores condições nos cárceres cubanos.

 

Segundo o dissidente, ele respondeu ao major que pede "menos que a União Europeia", porque só pede "a liberdade de 26", enquanto o bloco pede a de todos os presos políticos cubanos (cerca de 200, segundo a oposição).

 

"O militar não deu esperanças de nenhum tipo", acrescentou o opositor, e afirmou que tiveram "uma conversa muito profissional, sem nenhum tipo de atrito".

 

"Finalmente fizemos um acordo e terminamos falando de beisebol, porque somos fanáticos pela equipe Villa Clara", brincou Fariñas.

 

O dissidente também anunciou que está pronto para se casar com sua parceira há 21 anos, Clara Pérez.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.