Ernesto Rodriguez/Efe
Ernesto Rodriguez/Efe

Fariñas, um filho da revolução cubana disposto a virar mártir

Dissidente fez 23 greves de fome contra o regime; seu pai lutou ao lado de Che Guevara no Congo em 1965

Luiz Raatz, estadao.com.br

10 de março de 2010 | 14h23

O jornalista e psicólogo Guillermo Fariñas, de 48 anos, vem de uma família de autênticos revolucionários cubanos. Seu pai lutou ao lado de Ernesto 'Che' Guevara na guerrilha no Congo em 1965. Sua mãe também participou da derrubada do regime de Fulgêncio Batista. Na juventude, Guillermo estudou na União Soviética e serviu ao Exército cubano. Ele diz já ter feito 23 greves de fome desde 1989, quando entrou para oposição.

Veja também:

linkPrisões desumanas levam a greve de fomelink Estadão de hoje: Lula compara preso político a criminoso

lblog O 'pedreiro radical' que desafiou o regime cubano 

blogEdmundo Leite: As 'insanidades' de Lula

blogMarcos Guterman: Lula enxovalha sua biografia

 A mais famosa delas aconteceu em 2006. Fariñas, então diretor da agência de notícias independente Cubanacán Press, decidiu protestar contra a censura à internet em Cuba. O jejum durou quatro meses e o deixou a beira da morte, segundo a Organização não-governamental Repórteres Sem Fronteiras. Desde que passou para a oposição, ficou cerca de 11 anos e meio na prisão.

Em 2007, a Repórteres Sem Fronteiras deu ao jornalista o prêmio 'Liberdade Cibernética' pela sua luta pela liberdade de acesso à rede em Cuba.

A última greve de fome do jornalista começou no último dia 24 de fevereiro, após a morte do dissidente Orlando Zapata, vítima de um jejum de 85 dias. Com o novo protesto, Fariñas pede a libertação de 26 presos políticos que estão doentes em Cuba. Em uma entrevista ao jornal espanhol El País, o ativista disse estar preparado para morrer por essa causa.

"Já é hora do mundo perceber que este governo é cruel. Há momentos na história em que devem haver mártires", disse Fariñas ao jornal.

No começo desta semana, o dissidente rejeitou uma oferta para receber ajuda médica na Espanha. A imprensa oficial cubana disse que o regime lava as mãos diante de uma possível morte do jornalista e o acusou de chantagem.

Tudo o que sabemos sobre:
Guillermo FariñasCubadissidente

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.