Marcos Brindicci/Reuters
Marcos Brindicci/Reuters

Favoritos da eleição argentina estão praticamente empatados, diz pesquisa

Daniel Scioli, governador peronista de província de Buenos Aires, tem 33,3%, enquanto Mauricio Macri, prefeito da capital, tem 32,2%

REUTERS

24 de maio de 2015 | 15h47

Os dois favoritos a vencer a eleição presidencial da Argentina, em outubro, têm praticamente o mesmo nível de apoio, segundo uma pesquisa publicada neste domingo, com o candidato de oposição pró-negócios ganhando terreno contra o provável candidato de situação dos peronistas.

Daniel Scioli, governador peronista da poderosa província de Buenos Aires, tem vantagem às vésperas das primárias de agosto, com 33,3 por cento das intenções de voto, de acordo com a pesquisa Management & Fit.

Mauricio Macri, prefeito de Buenos Aires e líder do partido conservador PRO, está com 32,2 por cento, e ganhou terreno desde o mês passado, quando na mesma pesquisa aparecia com 29,4 por cento dos votos. O apoio para Scioli é o mesmo desde abril.

A presidente argentina Cristina Kirchner, que não pode buscar um terceiro mandato, não apoiou publicamente nenhum candidato. A sua taxa de aprovação na pesquisa foi de 39,6 por cento, um pouco maior que no mês passado, e a rejeição está em 51,5 por cento.

Scioli é visto como mais pragmático e pró-negócios que Kirchner e diz que mudanças precisam acontecer para a economia melhorar. Mas ele diz que se moverá com mais cuidado do que a abordagem rápida proposta por Macri.

Sob a liderança de Macri, o ex-presidente do clube de futebol Boca Juniors de 56 anos, o partido PRO ganhou a reputação de ser eficiente em Buenos Aires.

Um terceiro candidato, Sergio Massa, está com 13,8 por cento das intenções de voto, segundo a pesquisa.

A pesquisa entrevistou 2.400 pessoas entre 11 e 20 de maio, com uma margem de erro de dois pontos percentuais.

(Por Jorge Otaola)

Tudo o que sabemos sobre:
ARGENTINAELEICOESPESQUISA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.