Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Fidel Castro critica Barack Obama por apoiar Israel

Em novo artigo, líder cubano reclama ainda dos Estados Unidos não terem a intenção de devolver Guantánamo

Efe,

30 de janeiro de 2009 | 02h46

O ex-presidente de Cuba Fidel Castro acusou nesta sexta-feira, 30, o novo chefe de Estado americano, Barack Obama, de "compartilhar do genocídio contra os palestinos", de ser "soberbo" e de ser "abusivo" por não devolver a Havana a base naval de Guantánamo. Em um novo artigo da série "Reflexões", o líder cubano diz que Obama e seu vice, Joe Biden, decidiram "apoiar decididamente a relação entre Estados Unidos e Israel, e consideram que o incontrovertível compromisso no Oriente Médio deve ser a segurança de Israel". "Os Estados Unidos nunca se distanciarão de Israel, e seu presidente e vice-presidente 'acreditam decididamente no direito de Israel a proteger seus cidadãos'", escreveu Fidel, citando declarações oficiais dos EUA. "É a maneira de compartilhar do genocídio contra os palestinos em que nosso amigo Obama caiu", conclui o ex-presidente de Cuba, que em seu artigo anterior havia demonstrado certa confiança no novo ocupante da Casa Branca. Sobre Cuba, o artigo de Fidel, intitulado "Decifrando o pensamento do novo presidente dos Estados Unidos", diz que "não é demasiadamente difícil", já que "o caráter abusivo do poder do império" não mudou. "Após sua posse, Barack Obama declarou que a devolução do território ocupado pela base naval de Guantánamo a seu legítimo dono deveria ser contrabalançada, primeiramente, com o menor comprometimento ou não da capacidade defensiva dos Estados Unidos", diz o texto do líder cubano. Obama, segundo Fidel, dizia ainda que, para devolver a base a Cuba, "deveria considerar sob que concessões a parte cubana aceitaria essa solução, o qual equivale à exigência de uma mudança em seu sistema político, um preço contra o qual Cuba lutou durante meio século". "Manter uma base militar em Cuba contra a vontade de nosso povo viola os mais elementares princípios do direito internacional. É uma faculdade do presidente dos Estados Unidos acatar essa norma sem condição alguma. Não respeitá-la constitui um ato de soberba e um abuso de seu imenso poder contra um pequeno país", acrescenta o artigo. Fidel afirma ainda que o novo presidente americano está oferecendo "adoçantes similares" à Rússia, à China, à Europa, à América Latina e ao resto do mundo.

Tudo o que sabemos sobre:
Fidel CastroBarack ObamaCuba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.