Fidel Castro critica cúpula do G20

O ex-presidente de Cuba, Fidel Castro, criticou na segunda-feira a reunião do G20 sobre a crise financeira global, feita em Washington, afirmando que sua declaração final não tocou "nem com a pétala de uma flor" nos temas que atingem a economia mundial. Os líderes do G20, que inclui países industrializados e em desenvolvimento, foram convocados no sábado pelo presidente norte-americano, George W. Bush, para discutir sobre a crise financeira mundial. "Favorece ao império (Estados Unidos), que não recebe crítica alguma a seus métodos abusivos. No meu ponto de vista, não foram tocados nem com a pétala de uma flor os privilégios do império", disse Fidel em um artigo publicado no Granma, o jornal oficial do partido comunista. Fidel criticou o comunicado final do encontro. "No documento, não é dita uma palavra sobre o absurdo da política de transformar alimentos em combustível que move os Estados Unidos e a troca desigual de que nós, os povos do Terceiro Mundo, somos vítimas", afirmou. O líder cubano acusou Bush de escrever a declaração e disse que ele é "o campeão do neoliberalismo, responsável por matanças e guerras genocidas, que investiu en suas aventuras sangrentas todo o dinheiro que seria suficiente para mudar a face econômica do mundo". Bush qualificou a reunião de sábado como bem-sucedida e disse que "houve compreensão mútua(...) com um plano de ação firme". (Por Nelson Acosta)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.