Fidel Castro tenta conquistar leitores asiáticos

Fidel Castro pode ter se aposentadodepois de 49 anos no comando de Cuba, mas ainda está ocupadopreparando edições de sua autobiografia, agora direcionada aosleitores asiáticos. O Granma, jornal do Partido Comunista, disse na terça-feiraque edições em hindi, farsi e singalês estão a caminho. O livrofoi publicado na China na semana passada. "Muitos dos grandes desafios da humanidade não terãosolução sem o fundamental e ativo papel da China", escreveuFidel no prólogo da edição chinesa, que foi publicada emmandarim. A autobiografia, escrita no formato de perguntas erespostas, é um relato definitivo do ponto de vista de Fidelsobre grandes acontecimentos desde que ele tomou o poder em1959 -- da crise dos mísseis em Cuba ao papel militar da ilhana África e a queda do regime soviético. Castro tem 81 anos e sofre de uma doença intestinal nãorevelada que o obrigou a transferir o poder em julho de 2006 aoirmão Raúl Castro, que o substituiu definitivamente em 24 defevereiro. Foi a primeira mudança de líder em Cuba desde arevolução de 1959. Apesar de não ter aparecido em público nos últimos 19meses, ele se mantém presente com uma série de artigos ereflexões sobre política internacional na mídia oficial deCuba. Seus inimigos na comunidade cubana nos Estados Unidosacreditam que Fidel ainda esteja comandando as coisas em Cuba,por baixo do pano. O governo dos EUA diz que Cuba apenas mudoude um ditador para outro (no caso, Raúl), o qual chama de"Fidel light". O objetivo dos escritos de Fidel parece ser fazer umregistro histórico de sua longa carreira. "Fidel Castro: minha vida -- uma autobiografia falada" foipublicado nos EUA em janeiro. O livro se baseia em 100 horas deentrevistas feitas pelo jornalista espanhol Ignacio Ramonet,editor do Le Monde Diplomatique. Ele já foi traduzido para o francês, português, italiano,grego, turco e diamarquês. Edições em alemão, checo e coreanojá estão a caminho, assim como uma edição de bolso em inglês,diz o Granma. (Reportagem de Anthony Boadle)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.