Fidel diz não ter forças para falar em público

O líder cubano, Fidel Castro, disse naquarta-feira que não tem forças para falar em público, mais de17 meses depois da cirurgia gástrica que o afastou do poder. A longa enfermidade desperta especulações de que Fidel, nopoder desde 1959, poderia se aposentar no início da próximalegislatura, em março. "Não estou fisicamente capaz de falar diretamente aoscidadãos da municipalidade pela qual fui indicado para nossaseleições de domingo próximo", disse Fidel em artigo publicadopela imprensa estatal. "Faço o que posso: escrevo (...) Para mim é uma experiêncianova: escrever não é o mesmo que falar", afirmou Fidel,conhecido por seus longos discursos, no artigo em que criticoua visita do presidente dos EUA, George W. Bush, ao OrienteMédio. Na terça-feira, Fidel, de 81 anos, apareceu pela TV,recebendo a visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, queo fotografava. Ao final, de pé num corredor, ele dá um forteabraço em Lula e diz: "Eu me senti muito bem". Fidel usava um agasalho esportivo, como em outras apariçõesdesde o afastamento. Conversou animadamente com Lula. Foram as primeiras imagens dele desde uma visita de seualiado Hugo Chávez, presidente da Venezuela, há três meses. Lula disse que o líder cubano está "incrivelmente lúcido" etem uma "saúde impecável", que lhe permitiria voltar agovernar. Segundo o presidente brasileiro, Fidel falou duranteduas horas das duas horas e meia de encontro. Em seus últimos artigos, Fidel dá a entender que nãopretende se apegar ao poder, que ele conquistou pelas armas em1959, na revolução que viria a transformar Cuba num Estadocomunista. Para continuar formalmente como chefe de Estado, Fidelprecisa ser 1 dos 614 deputados na Assembléia Nacional. Ele écandidato pela cidade de Santiago de Cuba (leste). Caso não seja reeleito como presidente do Conselho deEstado, deve ser substituído por seu irmão Raúl, que já governainterinamente desde julho de 2006.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.