Fidel diz que Cuba não tem medo de falar com os EUA

O ex-líder cubano Fidel Castro disse no domingo que seu país não teme o diálogo com os Estados Unidos e elogiou o senador norte-americano Richard Lugar por defender uma nova política bilateral.

REUTERS

06 de abril de 2009 | 10h37

Em artigo publicado na Internet, Fidel disse que Lugar "caminha com os pés sobre a terra" e não teme ser chamado de "mole ou pró- socialista". Afirmou ainda que "as medidas dos Estados Unidos contra Cuba, ao longo de quase meio século, constituem um fracasso total".

"Não é necessário enfatizar o que sempre Cuba disse: não tememos dialogar com os Estados Unidos. Não precisamos tampouco do confronto para existir, como pensam alguns tontos", escreveu Fidel, 82 anos, que renunciou no ano passado ao cargo de presidente, mas mantém enorme influência na ilha que governou por 49 anos e hoje está sob comando de seu irmão caçula, Raúl.

O diálogo, segundo Fidel, "é a única forma de procurar a amizade e a paz entre os povos".

Lugar, líder republicano na comissão de Relações Exteriores do Senado, conclamou na semana passada o presidente Barack Obama a "reconsiderar uma política que não só não promoveu os direitos humanos e a democracia como também afeta nossos interesses políticos e de segurança".

O senador defendeu a nomeação de um enviado especial da Casa Branca para começar conversas diretas com Havana sobre temas de interesse comum.

Tudo o que sabemos sobre:
CUBAFIDELEUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.