Filha de Ingrid Betancourt quer que mãe receba Nobel da paz

'Minha mãe é um símbolo da tragédia colombiana e prêmio contribuiria muito para manter a atenção', diz

Ansa,

24 de junho de 2008 | 17h12

Melanie Betancourt afirmou nesta terça-feira, 24, que conceder o Prêmio Nobel da Paz a sua mãe, Ingrid Betancourt, seria uma maneira que manter a atenção internacional sobre a ex-candidata presidencial franco-colombiana, há mais de seis anos refém das Forças Armadas revolucionárias da Colômbia (Farc).   Veja também: França retoma contatos com Farc para soltar Ingrid   O drama de Ingrid Por dentro das Farc  Histórico dos conflitos armados na região     "Minha mãe é um símbolo da tragédia colombiana e o Prêmio Nobel da Paz contribuiria muito para manter a atenção. Todos os prêmios servem para chamar a atenção", afirmou Melanie em Florença, onde receberá o Prêmio Galileu em nome de sua mãe.   A jovem informou ainda que as últimas notícias que teve de Ingrid foram dadas em 4 de fevereiro passado, "na libertação dos últimos reféns que a viram: é forte, mas está doente, não pode seguir adiante assim". Melanie disse que por isso é tão importante a "pressão internacional" e a atenção da Europa ao caso.   "É necessário continuar a fazer pressão sobre as milícias das Farc. Se querem credibilidade política, devem libertar os reféns, e sobre o governo colombiano: cabe a eles encontrar um acordo", declarou a filha de Ingrid.   "Ela está sempre comigo e quando voltar será maravilhoso. Mas não será a mesma mãe e eu não serei a mesma filha, nos roubaram muitos anos", acrescentou Melanie.

Mais conteúdo sobre:
FarcColômbiaIngrid Betancourt

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.