Filha de Raúl Castro defende fim de restrições a viagens

Mariela Castro, uma das filhas dopresidente cubano, Raúl Castro, disse em uma entrevistapublicada neste sábado que o governo de seu pai deveria removeras restrições de viagens ao estrangeiro. As declarações de Mariela, socióloga de 45 anos, ao jornalespanhol La Vanguardia surgem num momento de fortes rumoressobre a iminente flexibilização dos entraves para que oscubanos viajem ao exterior. "Tudo deve ser analisado com profundidade para que sejamencontradas as melhores soluções. Não se deve privar as pessoasde seu direito de sair. Por mim, deve ser dada permissão atodos os que queiram sair, desde que nada devam à Justiça",declarou em uma entrevista realizada em Havana. Mariela Castro é diretora do Centro Nacional de EducaçãoSexual e defende os direitos das minorias sexuais. Naentrevista ao jornal, ela esclareceu, contudo, que não teminformações sobre o que está sendo discutido ou o que serádecidido. "Eu ficaria encantada se essas coisas fossem solucionadas.Atualmente, as pessoas podem sair do país, mas com muitadificuldade. Deveriam ser reduzidos os obstáculos, que meparecem absurdos", disse ela. Para viajar ao exterior, os cubanos precisam de permissãode saída das autoridades e uma carta-convite de um parente ouamigo no país de destino. Alguns profissionais, como médicos,são submetidos a restrições adicionais. Pessoas próximas ao governo têm dito que Raúl Castro estudaflexibilizar progressivamente as saídas, como parte de suapolítica de eliminar o "excesso de proibições" que sufocam oscubanos. Na entrevista ao La Vanguardia, Mariela Castro criticou alei norte-americana que concede direito de residência quaseautomático aos cubanos que conseguem pôr um pé em terra firmedos EUA, estimulando, segundo Cuba, a imigração ilegal. "Este é um assunto muito grave que deveria ser resolvidocom o apoio dos governos que dizem amar a democracia." (Reportagem de Esteban Israel)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.