Filha de Raúl Castro pede que Cuba supere 'fórmulas antigas'

Mariela Castro, filha do presidente cubano Raúl Castro, disse à imprensa dominicana que o governo comunista de seu pai deve deixar de lado as "fórmulas antigas" que fracassaram.

REUTERS

17 de setembro de 2009 | 21h48

A diretora do estatal Centro Nacional de Educação Sexual de Cuba disse em uma entrevista publicada nesta quinta-feira pelo jornal dominicano "Hoy" que observa mudanças na ilha sob a administração de seu pai.

"Muito devagar, com sutilezas, mas estão aí como amostra das demandas que se fazem nos distintos debates", disse Mariela, que defende em Cuba os direitos das mulheres e minorias sexuais.

"Qualquer esquema de renovação que se implemente em Cuba deve deixar de lado as fórmulas antigas que, por dogmáticas, fracassaram", acrescentou a socióloga cubana. Ela visita a República Dominicana para assinar acordos de cooperação sobre Aids.

Raúl Castro assumiu há três anos o lugar de seu convalescente irmão Fidel no poder da ilha e no ano passado foi nomeado presidente.

O general de 78 anos promoveu um debate nacional para diagnosticar os problemas da economia socialista de Cuba. Além disso, promoveu reformas no campo, eliminou o igualitarismo salarial e liberou a venda de computadores e telefones celulares.

"Houve mudança nos discursos", disse Mariela. "Porém, o mais interessante é que em Cuba as pessoas não fazem somente críticas, mas também propostas, e isso dá um nível de profunda consciência social", acrescentou.

Mariela promoveu operações gratuitas de troca de sexo em Cuba e também defendeu no passado a eliminação das restrições de viagem ao exterior.

(Reportagem de Manuel Jiménez)

Tudo o que sabemos sobre:
CUBARAULFILHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.