Fotos dos filhos de seqüestrada tentam sensibilizar Farc

A idéia foi marido da ex-candidata à Presidência daColômbia Ingrid Betancourt, mantida refém desde 2002

EFE

24 de dezembro de 2007 | 23h09

O marido da ex-candidata à Presidência da Colômbia Ingrid Betancourt, seqüestrada pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em 2002, lançou 20 mil fotografias de seus dois filhos sobre as selvas do leste da Colômbia, com a esperança que pelo menos uma delas chegue a suas mãos como presente de Natal e aniversário. As fotos foram lançadas por Juan Carlos Lecompte em quatro vôos efetuados em um pequeno avião, entre quinta-feira e domingo, segundo disse o publicitário, que já realizou outras jornadas similares, totalizando o lançamento de cerca de 60 mil fotografias. "Ainda me restam outras 25 mil, e talvez as lance no ano que vem, em fevereiro ou março", disse Lecompte, em referência à época em que sua esposa completará seis anos de cativeiro. A ex-candidata presidencial, que também possui nacionalidade francesa, foi seqüestrada em fevereiro de 2002, junto à sua companheira de chapa Clara Rojas, que teve um filho em cativeiro, batizado de "Emmanuel". Lecompte lançou as fotografias em uma época marcada pela expectativa acerca da possível libertação de Rojas, Emmanuel e da ex-deputada Consuelo Gonzáles, anunciada pelas Farc para breve. "As fotografias de Melanie e Lorenzo Delloye, filhos do primeiro casamento de Ingrid, são recentes, tiradas este ano na França. Fiz isso para que ela veja como estão lindos e grandes", disse Lecompte. O marido da seqüestrada revelou que as fotografias foram lançadas sobre pequenos casarios e assentamentos indígenas no meio da selva. Lecompte entregou ainda alguns exemplares pessoalmente a moradores de Carurú, remota aldeia do departamento de Vaupés, que possui de 300 habitantes, e na qual estão postados 500 militares.

Tudo o que sabemos sobre:
Farc

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.