França convida Kirchner para ser fiador em diálogo com Farc

Jornal afirma que ex-presidente argentino deve aceitar o pedido para participar da libertação dos reféns

Efe,

21 de dezembro de 2007 | 14h11

O governo da França convidou o ex-presidente da Argentina Néstor Kirchner a participar como fiador da libertação de três reféns da guerrilha colombiana, segundo a edição desta sexta-feira, 21, do jornal Página/12, que cita uma fonte oficial.Kirchner estaria analisando o pedido e é "provável" que aceite, destacou a fonte.   Veja Também  Com Farc e Uribe pressionados, Colômbia tem ano otimista Cronologia: do seqüestro à perspectiva de liberdade Entenda o que são as Farc   A participação do ex-presidente (2003-2007) obedeceria a um convite do chefe de Estado francês, Nicolas Sarkozy, que no dia 6 pediu em carta ao governo argentino que interviesse para conseguir um acordo humanitário com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).   Tanto Nestor quanto sua mulher, a presidente argentina, Cristina Kirchner, manifestaram a disposição do país em colaborar para conseguir uma troca de membros das Farc detidos por reféns da guerrilha, entre eles a ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt.   Yolanda Pulecio, mãe de Betancourt, e a senadora colombiana Piedad Córdoba assistiram, no dia 10, à posse de Cristina, que no dia seguinte ofereceu "todo seu apoio" em uma reunião privada. Cristina também discutiu a questão com o presidente colombiano, Álvaro Uribe, e o primeiro-ministro francês, François Fillon.   Segundo um comunicado das Farc, serão libertados em breve Clara Rojas, companheira de chapa de Betancourt; seu filho Emanuel, nascido em cativeiro, e a parlamentar Consuelo González.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcColômbiaVenezuelaArgentina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.