França retoma contatos com Farc para soltar Ingrid Betancourt

A França retomou o contato com líderes daguerrilha da Colômbia que mantém como refém a franco-colombianaIngrid Betancourt para tentar conseguir sua libertação,informaram fontes da Presidência francesa nesta quinta-feira. O contato havia sido rompido depois que o principal líderda esquerdista Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia(Farc), Raúl Reyes, foi morto em março. As Farc se envolveram com sequestros, extorsão e tráfico decocaína para financiar suas operações contra os militarescolombianos e os grupos paramilitares. "Nós conseguimos restabelecer o diálogo com certos membrosdas Farc. Estamos buscando contatos, mas discretamente", disseuma fonte do alto escalão da Presidência da França, sobcondição de manter o anonimato. As Farc sofreram recentemente uma série de perdas em suacúpula, incluindo a do fundador do grupo, Manuel Marulanda e ade seu vice, Raúl Reyes, que era designado pelo ministro dasRelações Exteriores da França, Bernard Kouchner, como oprincipal contato do país com a guerrilha. O presidente colombiano, Álvaro Uribe, afirmou nasexta-feira que um rebelde das Farc havia proposto libertarBetancourt e outros reféns em troca de proteção contraextradição. Os esforços para negociações com as Farc sobre os reféns,entre os quais muitos mantidos em cativeiros na selva há umadécada, estão paralisados. Mas a recente morte de trêscomandantes e deserções estimuladas por recompensas do governo,enfraqueceram os rebeldes. Uribe disse que a agência de inteligência da Colômbiarespondeu à proposta com uma oferta de proteção contraextradição caso os reféns sejam libertados, mas ele não deudetalhes nem nomes. Ex-candidata presidencial, Betancourt tem duplanacionalidade (francesa e colombiana) e foi sequestrada há maisde cinco anos, quando fazia campanha eleitoral no interior dopaís. A França tem se empenhado em obter a libertação dela. A fonte na presidência francesa disse que a últimainformação obtida sobre o estado de saúde de Betancourt -- queparecia muito fraca em imagens de vídeo divulgadas pelaguerrilha em novembro -- é de que é sério, mas nãodesesperador. Mas ele acrescentou que esse dado não foiconfirmado. "Todas indicações que temos sugerem que ela está viva e suacondição não é grave", disse a fonte. (Reportagem de Emmanuel Jarry)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.