Frustrada, ONG de Ingrid critica escolha de Nobel da Paz

Martti Ahtisaari 'está longe de Mandela e dalai-lama'; ex-refém das Farc era uma das favoritas ao prêmio

Ansa,

10 de outubro de 2008 | 19h03

O Comitê de Apoio à candidatura ao Nobel da Paz da franco-colombiana Ingrid Betancourt frustrou-se com o anúncio nesta sexta-feira, 10, da vitória do ex-presidente finlandês Martti Ahtisaari e foi obrigado a engavetar o discurso oficial que havia sido preparado para a ex-refém das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.   Veja também: Ex-presidente finlandês Martti Ahtisaari ganha Nobel da Paz   "Estamos muito decepcionados. É uma notícia muito ruim para Ingrid, mas também para os reféns e para a paz da Colômbia", disse Olivier Roubi, vice-presidente da Federação Internacional dos Comitês de Apoio a Betancourt. "Sinceramente, compreenderia se o prêmio tivesse ido para [o ativista chinês] Hu Jia; teria sido uma decisão valente. Mas Ahtisaari está longe de Mandela e dalai-lama", completou.   O texto já tinha sido enviado para TVs e rádios, para ser lido assim que a franco-colombiana recebesse a honraria oficialmente. "Agradecemos a deputados, senadores e universidades francesas cujo sem o apoio Ingrid não teria conseguido esse Nobel", dizia a mensagem. A ex-candidata a presidente da Colômbia foi libertada em 2 de julho depois de mais de seis anos refém das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).   Uma entrevista coletiva em um hotel de Paris também havia sido agendada para comemorar o título que não veio. "Queríamos que o Comitê do Nobel tivesse reconhecido com esse prêmio os anos de mobilização internacional a favor dos reféns na Colômbia e no mundo inteiro", conclui Roubi.

Tudo o que sabemos sobre:
Ingrid BetancourtNobel da Paz

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.