Fujimori é condenado a seis anos de prisão

Ex-presidente foi considerado culpado por abuso de poder ao ordenar invasão de casa

Agências Internacionais

11 de dezembro de 2007 | 21h03

O ex-presidente peruano, Alberto Fujimori, foi condenado nesta terça-feira, 11, a seis anos de prisão pela Justiça do país. Fujimori foi condenado por abuso de autoridade no caso referente à invasão do domicílio da esposa de seu ex-chefe de espionagem, Vladimiro Montesinos, em novembro de 2000. Essa é a primeira sentença contra o ex-presidente, extraditado do Chile no dia 22 de setembro.     Fujimori também terá que pagar uma multa equivalente a US$ 133,000 como reparação civil. O ex-presidente se mostrou tranqüilo ao ouvir a sentença do juiz Pedro Urbina.     O ex-presidente foi considerado culpado por mandar seu auxiliar entrar na casa de Montesinos, onde o ex-chefe de inteligência escondia 40 caixas de vídeos e fitas que documentavam a corrupção em seu governo.     Fujimori havia sofrido uma crise de hipertensão na segunda-feira, 10, depois de clamar aos gritos sua inocência num julgamento por violação de direitos humanos. No caso, Fujimori é acusado de ordenar o massacre que matou 25 pessoas e por dois sequestros durante seu mandato (1990-2000), quando o Peru combatia rebeldes de esquerda.     Ele enfrenta quatro julgamentos por violação dos direitos humanos e corrupção praticados durante seus 10 anos no poder. Fujimori, de 69 anos, pode ser condenado a até 30 anos de prisão se for considerado culpado por estas acusações.     É a primeira vez na história do país que um ex-presidente é submetido a um julgamento público, transmitido ao vivo pelo rádio e pela TV - e um dos raros julgamentos de ex-presidentes na América Latina. Fujimori, 69, passou sete anos foragido (cinco no Japão e dois no Chile).          

Tudo o que sabemos sobre:
FUJIMORI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.