Fujimori nega intenção de fuzilar líderes do Sendero Luminoso

Ex-assessor apresentou documentos que mostram detalhes da execução ordenada pelo ex-presidente em 1992

Efe,

14 de agosto de 2008 | 02h50

O ex-presidente peruano Alberto Fujimori negou nesta quinta-feira que estava disposto a autorizar o fuzilamento dos líderes do Sendero Luminoso durante seu regime (1990-2000), como afirmou um ex-assessor do Serviço de Inteligência Nacional (SIN). "Em nenhum momento houve a intenção ou a decisão de tirar a vida de Abimael Guzmán ou de algum membro da cúpula, o que aconteceu foi o respeito à integridade física deles, conforme as diretrizes do meu escritório", assinalou Fujimori. Em um breve depoimento ao tribunal que o julga por supostas violações aos direitos humanos, o ex-governante disse que os documentos apresentados nesta quarta-feira, 13, pelo ex-assessor Rafael Merino Bartet faziam "parte de uma operação psicológica" de inteligência manuseada pelo SIN. O ex-assessor do SIN declarou ao tribunal que o ex-presidente revisou "à mão" a resolução que autorizava o fuzilamento dos líderes do Sendero Luminoso. Merino Bartet, a última das 82 testemunhas convocadas no julgamento de Fujimori por violações dos direitos humanos, mostrou a minuta de um decreto-lei, um memorando e um comunicado que redigiu, com data 14 de outubro de 1992, com os "detalhes" da execução. O fuzilamento teria como alvos o fundador do Sendero Luminoso, Abimael Guzmán, sua mulher e principal braço direito, Elena Iparraguirre, e o líder Zenón Vargas, disse a testemunha. O ex-funcionário do SIN frisou que os documentos foram corrigidos "à mão" por Fujimori, que deu a ordem para os fuzilamentos: primeiro a Vargas; depois, a Iparraguirre; e, por fim, a Guzmán. "Se vocês quiserem, podem fazer uma perícia grafotécnica, mas eu conhecia a letra de Fujimori, porque também tive à mão um texto que ele modificou em sua apresentação na TV em 5 de abril", afirmou Bartet aos juízes. No entanto, a testemunha não soube dizer o que aconteceu para as execuções nunca se concretizarem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.