Fujimori pede desculpas a juiz por ter dormido no tribunal

Médicos que examinaram o ex-presidente peruano afirmam que sua sonolência se manifesta após o almoço

REUTERS

26 de março de 2008 | 13h58

Durante o julgamento que enfrenta por violações de direitos humanos, o ex-presidente peruano Alberto Fujimori pediu desculpas nesta quarta-feira, 26, ao juiz por ter dormido por vários minutos no tribunal e também por não estar usando meias, por causa de um problema nas pernas. Na audiência judicial de segunda-feira, o presidente da sala do tribunal, César San Martín, teve de recorrer a toques de campainha para despertar Fujimori, que dormiu durante uns 20 minutos em pleno interrogatório de uma das testemunhas do caso, o que forçou o juiz a suspender a audiência. "Apresento minhas desculpas porque estava totalmente perdido naquela tarde", afirmou Fujimori na audiência, depois de escutar o relatório de médicos legistas, que disseram que sua saúde é estável, apesar de ter edemas nas pernas por causa de um problema de postura. "Devo confessar que tenho de fato esse problema nas pernas e espero que não levem a mal porque ... eu estou sem as meias", disse Fujimori ao juiz. Os médicos que examinaram o ex-presidente depois da sessão anterior disseram que o problema de sonolência dele se manifesta, normalmente, depois da hora do almoço. "Estamos realizando as avaliações sobre o caso para ver a que se deve esse tipo de sonolência", afirmou um dos médicos. Não é a primeira vez que Fujimori, de 69 anos, dorme durante o julgamento. Segundo um médico pessoal dele, isso é produto do cansaço causado pela maratona de sessões a que ele deve comparecer três vezes por semana. Parentes e partidários de Fujimori dizem que a saúde do ex-presidente estaria prejudicada pelas restrições carcerárias que estariam causando "dores na coluna e edemas nos pés". Desde dezembro Fujimori compareceu a 40 audiências.

Tudo o que sabemos sobre:
PeruFujimori

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.