Fujimori pode enfrentar novos julgamentos no Peru

O ex-presidente peruano Alberto Fujimori enfrentará outros julgamentos se a justiça do Peru obtiver a aprovação de novos processos por parte da Corte Suprema do Chile, que permitiu sua extradição por sete casos já concluídos, disse seu advogado na segunda-feira.

REUTERS

05 de outubro de 2009 | 20h34

Fujimori, condenado em abril a 25 anos de prisão por violação dos direitos humanos, recebeu na semana passada sua última sentença - seis anos de prisão - pelas acusações que resultaram na sua extradição do Chile há dois anos.

O advogado César Nakazaki disse que o início de novos processos seria uma tentativa de frustrar a candidatura a presidente da filha Keiko Fujimori nas eleições de 2011.

"Acho que sim, em algum momento vamos enfrentar mais algum caso pela extradição," disse Nakazaki a jornalistas estrangeiros.

A procuradoria peruana prepara novos pedidos de extradição que têm de ser aprovados pelo governo de Alan García antes de serem submetidos ao Chile, que teria de autorizar a ampliação dos processos contra o ex-presidente, de 71 anos.

O caso mais emblemático pelo qual Fujimori foi condenado é a chacina de 25 pessoas durante a "guerra suja" entre militares e guerrilheiros esquerdistas nos primeiros anos do seu governo, na década de 1990.

No Peru, no entanto, as sentenças não são cumulativas, e apenas a pena maior é cumprida.

Nakazaki disse que as autoridades cogitam até 60 novos processos contra Fujimori no Peru. "Acho que vai depender de como o fujimorismo avançar nas pesquisas," afirmou.

Keiko Fujimori atualmente está entre as líderes nas pesquisas para a eleição de 2011. Ela já disse que poderá indultar seu pai caso seja eleita.

Analistas dizem que Fujimori se declarou culpado no processo final, encerrado na semana passada, para evitar a exposição das acusações contra si e não prejudicar a candidatura da filha e herdeira política.

(Reportagem de Patricia Vélez)

Tudo o que sabemos sobre:
PERUFUJIMORIJULGAMENTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.