Furacão Ike deixa Cuba e segue para o Golfo do México

Fenômeno pode atingir o Texas no fim de semana; passagem do ciclone já deixou pelo menos 80 mortos

Efe,

09 de setembro de 2008 | 18h15

O furacão Ike deixou Havana na tarde desta terça-feira, 9. O fenômeno, que afetou a capital cubana com rajadas de vento de até 120 km/h e provocou chuvas que se intensificaram ao longo do dia, agora sai do país em direção ao Golfo do México, rumo aos Estados Unidos, informou o chefe de previsões do Instituto de Meteorologia da ilha (Insmet), José Rubiera.   Veja também: Furacão Ike chega a Havana com ventos de 120km/h   Com ventos máximos sustentados de 120 km/h, o ciclone abandonou o território cubano minutos antes das 16 horas (17 horas em Brasília). Após 36 horas na ilha, que obrigaram à retirada de mais de 1,2 milhão de pessoas, Ike, agora de categoria 1 na escala Saffir-Simpson (de um máximo de 5), deixou Havana paralisada durante parte da manhã com quedas de galhos, derrubadas de cercas e uma constante chuva, em alguns momentos bastante intensa.   No entanto, até agora os incidentes em Havana são pequenos se comparados aos desastres no leste de Cuba, onde pelo menos quatro pessoas morreram e mais de 20 ficaram feridas. Enquanto os dados dos prejuízos econômicos começam a se acumular, a Defesa Civil deu como iniciada a fase de recuperação nas províncias do leste, de Camagüey até Guantánamo, salvo em Granma, onde só dois municípios estão nessa fase.   A lista de mortos inclui dois homens em Corralillo, na província de Villa Clara, um em Camagüey e uma idosa em Banes, em Holguín, onde Ike chegou como furacão de categoria 3 na noite de domingo. Os mortos pelo fenômeno no Caribe já somam pelo menos 80, segundo a agência Associated Press - só no Haiti, pelo menos 66 pessoas morreram com a passagem do furacão.   O número de casas destruídas ou danificadas no leste cubano chega a milhares, da mesma forma que os hectares de cultivo e as redes de eletricidade arrasadas. Só em Las Tunas, segundo disseram à Agência Efe autoridades dessa província, há cerca de 50 mil casas atingidas, entre elas sete mil que foram totalmente destruídas, além de 51 mil telefones cortados e grandes perdas econômicas.   Com esse panorama, Ike entrou nesta terça na província oeste de Pinar del Río por um lugar muito próximo à região que ficou arrasada há apenas dez dias pelo furacão Gustav, na ocasião de categoria 4. Segundo relatórios provisórios, Gustav deixou 140 mil casas destruídas ou danificadas nessa província e na Isla de la Juventud, além de milhares de hectares de cultivo arrasados e severos danos em infra-estruturas e comunicações.   As chuvas que Ike produziu continuam provocando inundações em várias províncias. A cidade de Ciego de Ávila ficou alagada quando o reservatório La Turbina transbordou por causa das precipitações, que nas últimas 24 horas registraram 306 milímetros na região e 314 em Júcaro, no litoral sul, informaram os meios de comunicação locais.   Em Granma, vários rios transbordaram, além de todas as represas, que estão hoje com 97% de sua capacidade. O rio Bayamo inundou parte da periferia urbana da cidade de mesmo nome, também afetada pelas cheias de outros três rios que atravessam áreas próximas, segundo a Agência de Informação Nacional.   Texas ameaçado   A trajetória atual indica que no próximo fim de semana o furacão pode alcançar o estado do Texas. Segundo a projeção, o olho de Ike poderia tocar terra em algum ponto situado entre o estado da Louisiana e o México.   Em todo o oeste de Cuba haverá chuvas fortes durante a tarde, com fortes ressacas e inundações litorâneas no norte de Pinar del Rio.

Tudo o que sabemos sobre:
IkeCubaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.