Furacão Ike perde força ao avançar para costa cubana

Apesar do enfraquecimento, fenômeno ainda pode ganhar intensidade se permanecer sobre o mar

Efe,

08 de setembro de 2008 | 19h50

O furacão Ike perdeu intensidade na noite desta segunda-feira, 8, após chegar a Cuba e se transformou em um ciclone de categoria 1 na escala de intensidade Saffir-Simpson, que vai até 5. O Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC, em inglês), com sede em Miami, informou em seu boletim das 18 horas (no horário de Brasília) que Ike agora tem ventos máximos sustentados de 130km/h, enquanto avança paralelamente à costa sudeste de Cuba.   No entanto, é possível um ligeiro aumento em sua força caso o olho do furacão permaneça sobre a água, que é a fonte de energia de fenômenos como este. Ike chegou na noite de domingo ao litoral nordeste de Cuba como um poderoso furacão de categoria 3 com ventos máximos sustentados de 205 km/h, segundo dados do NHC.   Os meteorologistas previram que Ike pode chegar de novo a essa categoria, uma das máximas da escala Saffir-Simpson, quando iniciar trajetória em direção ao Golfo do México. A projeção a cinco dias indicou que o furacão tocaria terra no próximo sábado no litoral do Texas.   Ike se desloca rumo a oeste a 22 km/h, mas está previsto que gire para o norte. O olho se movimentaria ao longo do sul do litoral sudeste da zona central de Cuba hoje à noite. O centro do fenômeno estará sobre o oeste de Cuba na terça-feira e, na noite desse dia, estará no sudeste do Golfo do México, segundo o NHC.   Ike causou pelo menos 64 mortes após passar pelo Haiti e, em Cuba, obrigou à evacuação de turistas e moradores. Na ilha, até o momento só foram registrados danos graves a casas e outros setores, e muitas regiões por onde passou o furacão estão sem eletricidade.   O sul do estado da Flórida está sob vigilância de furacão desde Ocean Reef até Dry Tortugas, e a retirada foi decretada como obrigatória tanto para os turistas quanto para os residentes. O aviso de furacão em Cuba vigora para as províncias de Havana, Pinar del Río, Isla de la Juventud, Matanzas, Villa Clara, Sancti Spíritus, Cienfuegos, Camagüey, Ciego de Ávila, Guantánamo, Santiago de Cuba, Holguín, Las Tunas e Granma.   Rota prevista do Ike. Imagem: Efe Foi emitido também um aviso de tempestade tropical para as ilhas Cayman. As intensas chuvas que devem ocorrer por conta de Ike podem causar inundações e deslizamentos perigosos de terra nas regiões montanhosas do leste de Cuba.   Na atual temporada de furacões no Atlântico (de 1º de junho a 30 de novembro), foram formadas dez tempestades e cinco furacões.   Os meteorologistas da Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera dos EUA previram que esta temporada seria muito ativa, com a possível formação de entre 14 e 18 tempestades tropicais, das quais entre sete e dez poderiam se transformar em furacões.

Tudo o que sabemos sobre:
IkeCubaHaitiEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.