Furacão no Haiti matou mais de 500 em 2008

Haiti foi devastado por furacão, em 2008, quando cerca de 500 pessoas pereceram em meio às inundações

Agências internacionais,

13 de janeiro de 2010 | 03h25

O país mais pobre da América Latina - e um dos mais pobres do mundo - foi atingido por uma outra tragédia recente. Em setembro de 2008, o Furacão Hanna provocou inundações e deixou um saldo de mais de 500 mortes no país. A cidade de Gonaives, a quarta maior cidade do Haiti, foi a mais afetada pelas chuvas e fortes ventos na ocasião.

 

Veja também:

link Terremoto de sete graus causa grande destruição no Haiti

link Instalações brasileiras foram atingidas

link ONU confirma destruição de sua sede no Haiti

som Representante da OEA no Haiti fala sobre o terremoto

som Sismólogo alerta para novos tremores no Caribe

 

Depois que as águas das inundações começaram a baixar, começaram a surgir as vítimas do furacão.

"O cheiro é muito forte em Gonaives. O número de mortes pode ser muito superior", relatou um delegado de polícia local. Pelo menos 529 pessoas morreram no Haiti por causa das inundações e dos deslizamentos de terra causados pelas chuvas torrenciais. Segundo ele, em algumas partes da cidade as águas subiram a 5 metros.

 

Corpos boiavam nas águas lodosas que cobriram mais da metade das casas da região enquanto soldados argentinos da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah) ajudavam a resgatar haitianos ilhados em suas casas. Alguns estavam esperando o resgate por vários dias, isolados pelas inundações.

 

A ONU também enviou um grande carregamento de alimentos à região, depois que seus militares passaram a noite em claro para reconstruir um ancoradouro. Um navio com 33 toneladas de produtos de primeira necessidade foi recebido em Gonaives pela manhã por milhares de pessoas que, desde a passagem da tempestade Hanna sobreviviam com pouca comida e quase sem água.

 

Mais tarde, no cais, soldados armados faziam a segurança enquanto a população recebia arroz, bolachas, óleo de cozinha, água mineral e pastilhas de purificação de água. A Unidade Pan-americana de Resposta a Desastres da Cruz Vermelha também enviou um avião com toneladas de suprimento.

 

A tempestade tropical Hanna passou pelo Haiti cinco dias depois de o país ter sido atingido pelo furacão Gustav, que deixou 59 mortos. "O Haiti pediu oficialmente ajuda internacional", anunciou Elisabeth Byrs, porta-voz do Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários das Nações Unidas. "A ONU fará um apelo internacional para coletar fundos."

Tudo o que sabemos sobre:
Haitifuracaoterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.