Furacão Odile atinge resorts no México; região tem registros de saques

O furacão Odile seguiu sua rota pela península da Baixa Califórnia, no México, nesta segunda-feira, perdendo gradualmente força após deixar dezenas de feridos, forçar a evacuação de milhares de pessoas e destruir lojas, que viraram alvos de saqueadores na popular área turística.

GERARDO ESQUERRE, REUTERS

15 de setembro de 2014 | 22h23

Fortes ventos e chuvas derrubaram árvores, assolaram casas e empresas, em uma das piores tempestades que já atingiu os resorts de luxo em Los Cabos, na costa noroeste do México.

O Odile enfraqueceu-se, baixando de categoria 4 para a 1 de desde domingo, mas o Centro Nacional de Furacões dos EUA (NHC) disse que provavelmente o furacão causará inundações e deslizamentos de terra, ameaçando a vida de moradores da costa noroeste nos próximos um ou dois dias.

A tempestade, com ventos de 130 km por hora, assolou o aeroporto internacional de San Jose del Cabo. Não ficou claro quando os voos poderão ser retomados.

"Nós vamos precisar de cerca de duas semanas para limpar isto, há grandes prejuízos", disse Gerardo Rodas, 50 anos, proprietário de um pequeno hotel na cidade de Loreto, na parte leste da península na costa do Golfo na Califórnia.

Cerca de 135 pessoas precisaram de tratamento hospitalar por causa do Odile, a maioria com ferimentos leves, disse Luis Felipe Puente, chefe do serviço de emergência nacional. Nenhuma morte foi confirmada.

Às 18h (horário de Brasília), o Odile estava a 72 km do sudoeste de Loreto. A tempestade estava seguindo rumo ao noroeste a 21 km por hora e provavelmente irá virar para o norte nos próximos dias, disse o NHC.

O Odile derrubou linhas elétricas, caixas d’água, aparelhos de ar condicionado e destroçou vitrines de lojas em todo Cabo San Lucas, onde foram registrados saques.

Farmácias, lojas de eletrônicos e lojas de conveniência estavam entre as empresas saqueadas até que a polícia restabeleceu a ordem nas ruas cobertas de vidros das janelas quebradas, disse a funcionária de uma loja local Cristina Osuna, 31 anos.

Turistas que se refugiaram em abrigos ou nas banheiras de seus quartos durante a noite publicaram fotos em redes sociais mostrando janelas e barricadas com móveis que foram destruídas. Muitos hotéis sofreram inundações.

"Foi horrível", disse o funcionário da loja Osuna. "Ninguém dormiu na noite passada, porque a água estava invadindo e tivemos que tirá-la."

MILHARES SÃO RETIRADOS

Estima-se que pelo menos 26 mil turistas estrangeiros e 4 mil mexicanos estavam na região, disseram autoridades. Milhares de pessoas foram retiradas de áreas de risco de inundação.

O NHC disse que o Odile deve diminuir enquanto segue para noroeste ao longo do deserto na península e prevê que a tempestade vai enfraquecer progressivamente nos próximos dois dias.

Alguns especialistas disseram que este foi o furacão mais forte a atingir a ponta da península desde o advento de dados de satélite.

Muitas praias do México estavam repletas de turistas durante o fim de semana antes do feriado do Dia da Independência, na terça-feira. Os resorts de Los Cabos estão em baixa temporada, mas são muito procurados por norte-americanos.

Não há grandes instalações de petróleo na área.

(Reportagem de Michael O'Boyle, Tomas Sarmiento, Simon Gardner, Dave Graham, David Alire Garcia e Noe Torres)

Mais conteúdo sobre:
MEXICOFURACAOSAQUES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.