Furacão Paloma perde força em Cuba e chega a categoria 1

Fenômeno provocou inundações na ilha e obrigou 400 mil a deixarem suas casas

Agências internacionais,

09 de novembro de 2008 | 08h04

O furacão Paloma, que atravessa Cuba neste domingo, 9, continua perdendo força na parte central e leste da ilha, e já passou a ser um fenômeno de categoria 1 na escala Saffir-Simpson, que vai até cinco. Segundo o boletim das 7h de Brasília do Centro Nacional de Furacões (NHC, em inglês) de Miami, o centro do furacão está cerca de 45 quilômetros ao lés-sueste de Camagüey e continuará enfraquecendo ao longo do dia.   Algumas horas antes, enquanto ainda estava no mar, Paloma era de categoria 4 (extremamente perigoso). Cuba ainda se recupera de outras duas tempestades deste período. O Paloma foi perdendo força, conforme avançava pelo interior de Cuba. Mesmo perdendo intensidade, o Paloma provocou inundações na costa da ilha. Cerca de 400 mil pessoas tiveram que ser retiradas de suas casas. O mar avançou 700 metros ao longo da costa, interrompendo os serviços de telefonia e de eletricidade.   Meteorologistas do USNHC (Centro Nacional de Furacões dos EUA, na sigla em inglês), em Miami, afirmam que Paloma terá sua velocidade ainda mais reduzida. Quando a tempestade atingir a costa das Bahamas, na noite de domingo ou manhã de segunda, estará com força tão reduzida que não se espera que ele atinja a costa dos EUA.

Tudo o que sabemos sobre:
PalomaCuba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.