Furacão Rick perde força e cai para categoria 3

Tormenta deve ficar mais fraca ao atingir a Califórnia nos próximos dias

Efe,

19 de outubro de 2009 | 12h13

O furacão Rick perdeu força e diminuiu para a categoria 3 na escala Saffir-Simpson, que vai até 5, e fica 605 quilômetros ao sul do balneário turístico de Cabo San Lucas, no Pacífico mexicano, informou nesta segunda-feira, 19, o Serviço Meteorológico Nacional (SMN).

 

Rick, que se desloca para o noroeste a 17 km/h, tem ventos sustentados de 205 km/h e sequências de 250 km/h, afirmou o SMN, em seu relatório das 4h (7h de Brasília).

 

O furacão, que tem um índice de periculosidade "severo" e um olho com um diâmetro de 28 quilômetros, "se desloca para o noroeste". Nos próximos dois dias, "espera-se tanto um gradual enfraquecimento quanto um giro para o nor-nordeste, dirigindo-se para a Baixa Califórnia Sul", precisou o órgão.

 

Além disso, recomendou "intensificar as precauções à navegação marítima nas imediações do sistema, devido a ondas elevadas, ventos fortes e chuva".

 

Além disso, o SMN alertou sobre possíveis ressacas "potencialmente perigosas" nas próximas 24 a 48 horas nas áreas litorâneas dos estados de Baixa Califórnia Sul, Colima, Jalisco, Nayari e Sinaloa, onde são esperadas "chuvas fortes a pontualmente intensas".

 

No entanto, a área de maior vigilância das autoridades mexicanas compreende da localidade de Santa Fe, no litoral oeste, até a localidade de San Evaristo, na costa leste da península de Baixa Califórnia Sul, onde Rick deve atingir terra na noite da terça-feira.

 

Segundo as previsões do SMN, às 13 horas (16 horas de Brasília), Rick continuará enfraquecendo e se localizará 530 quilômetros ao sul de Cabo San Lucas, com ventos sustentados de 195 km/h e sequências de 240 km/h.

 

No sábado passado, Rick alcançou a categoria 5, a máxima na escala Saffir-Simpson, e chegou a ter ventos sustentados de até 285 km/h,tornando-se, assim, o segundo maior furacão a se aproximar do Pacífico mexicano, desde o Linda, em 1997, indicou o SMN.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.