Gasto com armamento cresce na América do Sul

Região fica mais blindada: gastou 30% a mais em defesa; para analista, Colômbia deveria ter ajuda contra tráfico

Ariel Palacios, O Estado de S. Paulo

28 de agosto de 2009 | 08h51

Dados de diversas organizações que monitoram os gastos bélicos dos países indicam que a América do Sul é uma região cada vez mais armada. Segundo o Centro de Estudos Nueva Mayoría, em 2008 os países da região gastaram US$ 51,1 bilhões em defesa, 30% a mais do que em 2007. A Rede de Segurança e Defesa da América Latina estima que foram US$ 48 bilhões.

 

Veja também:

link Reunião põe à prova a real utilidade da Unasul

link Outdoor de senador na Colômbia fala para Chávez 'abrir os olhos'

link Grupo organiza passeata contra Chávez através do Twitter

som Ariel Palacios explica temas que serão discutidos na cúpula

forum Enquete: A instalação de bases dos EUA na Colômbia ameaça a região?

especial Especial: A trajetória de Hugo Chávez

 

Mas esses organismos indicam que o volume dos gastos em defesa poderiam ser amplamente superiores, pois em casos como o da Venezuela, as aquisições de armamento não são contabilizadas dentro dos orçamentos oficiais, mas em orçamentos secretos.

 

Segundo a Rede de Segurança, a Colômbia gastou 10,7% de seu orçamento nacional com segurança. No Equador, os gastos consomem 9,3%. O Chile destinou 8,4% e a Venezuela, 5,2%. O Brasil dedicou somente 3,1%, na frente apenas da Bolívia, com 2,4%.

 

Ajuda à Colômbia

 

A Unasul, criada há pouco mais de um ano com o objetivo de ser um fórum de discussão sobre política e segurança sul-americana, passará nesta cúpula de Bariloche por um teste crucial de sobrevivência.

 

O cientista político argentino Claudio Fantini disse ao Estado que é correta a posição do governo brasileiro de estimular a criação do Conselho de Defesa Sul-Americano, "por meio do qual a região poderia definir suas próprias políticas de segurança".

 

Segundo Fantini, desta forma, a América do Sul se livraria da "complicada presença militar dos EUA", além de possibilitar à Colômbia "aquilo que nunca antes a região ofereceu: apoio na luta contra o narcotráfico e seus braços armados".

 

"O Brasil sabe que não pode exigir que o presidente Álvaro Uribe prescinda do elemento de dissuasão das forças americanas sem exigir ao mesmo tempo que os governos da Venezuela e do Equador acabem com seus laços com a guerrilha."

Tudo o que sabemos sobre:
Unasul

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.