Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Giro de Medvedev em Cuba termina com reunião com Fidel

Após duas décadas da queda do regime socialista, Rússia volta a Cuba; não há fotos do encontro

Agências internacionais,

28 de novembro de 2008 | 17h08

O presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, encontrou-se com o ex-líder cubano Fidel Castro, nesta sexta-feira, 28, para estreitar os laços entre os dois antigos aliados na Guerra Fria, informou a agência de notícias estatal russa RIA. O encontro marca o fim da viagem de Medvedev pela América Latina, considerada uma tentativa russa de fortalecer sua presença no tradicional "quintal" americano através de acordos energéticos, militares e comerciais na região. "Foi uma ótima visita, uma visita magnífica", disse o presidente de Cuba e irmão de Fidel, Raúl Castro, a repórteres. Nenhuma foto ou filmagem do encontro foi divulgada num primeiro momento. "Na reunião com Fidel Castro, foram discutidos assuntos de vínculos bilaterais e também do futuro desenvolvimento da cooperação entre a Rússia e Cuba", afirmou um porta-voz do Kremlin. Fidel, de 82, que comandou Cuba por 49 anos até ser substituído por Raúl, em fevereiro, não é visto em público desde que passou por um cirurgia, em julho de 2006. Mas ele escreve regularmente para o jornal do Partido Comunista e se encontra com líderes mundiais. Ele conversou com o presidente da China, Hu Jintao, neste mês, em Havana. Medvedev foi a Cuba após visitar a Venezuela, onde ele e o presidente Hugo Chávez, conhecido pela retórica antiamericana, supervisionaram exercícios navais conjuntos. A viagem do presidente russo acontece num momento em que as relações de Washington e Moscou estão tensas devido ao plano norte-americano de instalar um escudo antimíssil no leste europeu. As relações dos países já tinham estremecido meses antes, com a guerra na Geórgia. Mais cedo, Raúl e Medvedev colocaram coroas de flores na Praça da Revolução, em Havana, e depois foram à recém-inaugurada catedral cristã ortodoxa na capital cubana. Entre essas atividades, os dois tiveram conversas oficiais e assinaram alguns convênios. Na quinta-feira, Medvedev foi recebido no aeroporto de Havana pelo vice-presidente do Conselho de Ministros, Ricardo Cabrisas, e pelo chanceler Felipe Pérez Roque. Aliados estratégicos e ideológicos entre as décadas de 1960 e 1980, Moscou e Havana se afastaram após 1991, quando a União Soviética foi extinta e o comunismo entrou em colapso. Uma cooperação de milhões de dólares então deixou de existir. Agora, as relações bilaterais entre Cuba e Rússia parecem ressurgir, em um ano cheio de visitas de funcionários, assinatura de convênios e anúncios de interesse comum para explorar petróleo e extrair níquel em território cubano. O intercâmbio comercial entre Cuba e Rússia se situa em US$ 360 milhões por ano.

Tudo o que sabemos sobre:
CubaRússiaFidel Castro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.