Governistas seguem no Congresso do Equador; defendem democracia

Os congressistas da bancada governista do Equador decidiram permanecer de forma indefinida dentro da Assembleia, com a intenção de defender a democracia enquanto o país é abalado por protestos de policias contra a retirada de benefícios econômicos da categoria.

REUTERS

30 de setembro de 2010 | 14h36

As atividades da Assembleia Nacional foram suspensas depois de protestos que a deixaram sem segurança policial.

Mas os congressistas do movimento político do presidente Rafael Correa decidiram permanecer nas dependências da Assembleia Nacional para evitar qualquer medida política da oposição que possa afetar a estabilidade da nação.

Os congressistas "estão em defesa da democracia. Convocamos o povo de Quito para defender a democracia e o regime constituído", disse Paco Velasco, um congressista do partido governista, muito próximo do presidente.

A guarda legislativa se uniu ao protesto dos policiais, mas argumentaram que defendiam a segurança do Poder Legislativo.

Tudo o que sabemos sobre:
EQUADORASSEMBLEIAFICAM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.