Governo boliviano pode mudar Constituição antes do referendo

Após progresso no diálogo com oposicionistas, Congresso planeja rever capítulo das autonomias regionais

Efe,

06 de outubro de 2008 | 15h52

O governo da Bolívia planeja mudar no Congresso o capítulo de autonomias do projeto de nova Constituição antes de submetê-lo a referendo, segundo afirmou nesta segunda-feira, 6, o vice-ministro de Coordenação com os Movimentos Sociais, Sacha Llorenti. O vice-ministro, em entrevista a Red Uno, disse que "imediatamente, antes do plebiscito" será incorporado ao projeto constitucional os progressos sobre autonomias alcançadas juntos aos governadores de oposição no diálogo de Cochabamba. Veja também:Evo diz que pode adiantar eleições gerais na BolíviaOpositores recusam nova oferta de Evo para acordo na Bolívia Llorenti disse ainda que "provavelmente será o Congresso que terá que incorporar estes acordos no novo texto constitucional", que foi aprovado pela Assembléia Constituinte em dezembro passado. O governo e a oposição autonomista deram por finalizado ontem, sem que se assinasse nenhum acordo, o processo de diálogo aberto em Cochabamba para pacificar o país. O Congresso se torna agora palco da crise, já que o oficialismo pretende aprovar a lei de convocação dos referendos que a nova Carta requer para entrar em vigor, o que é plenamente rejeitado pela oposição. O vice-ministro de Descentralização boliviano, Fabián Yaksic, em entrevista à televisão ATB, disse que para incorporar as exigências autonomistas dos opositores regionais serão modificados cerca de 30 artigos do projeto constitucional. Nesta segunda, a União de Nações Sul-Americanas (Unasul) lamentou que o presidente boliviano, Evo Morales, e a oposição autônoma não tenham assinado um acordo final para solucionar a crise política no país, apesar de ter destacado que tenha ocorrido uma aproximação de postura "impensável há dois meses."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.