Governo Chávez pede que correspondentes não atuem na política

Jornalista de rádios estrangeiras irritou presidente após pergunta sobre sistema eleitoral

estadão.com.br,

29 de setembro de 2010 | 22h33

CARACAS- O governo da Venezuela pediu nesta quarta-feira, 29, que os repórteres que são correspondentes estrangeiros trabalhem apegados à "ética jornalística" e que não atuem como "mais um ator político" do país, após uma discussão na segunda entre uma jornalista de um meio colombiano e o presidente Hugo Chávez.

 

Veja também:

linkPartido de Chávez consegue vitória por votos apertada em eleições

linkOposição busca nome de peso para enfrentar Chávez na eleição de 2012

linkResultado eleitoral aumenta divisão da sociedade

linkOposição pede que Chávez 'vire a página'

especialInfográfico: Raio X das eleições na Venezuela

 

A rádio RCN, por sua vez, defendeu em um comunicado a correspondente Andreína Flores, que também trabalha para a Rádio França Internacional (RFI), após as críticas do governo chavista.

 

Durante um encontro com a imprensa internacional nesta segunda após as eleições legislativas do domingo, Chávez reagiu asperamente a uma pergunta sobre a lei eleitoral local de flores, que queria saber porque o PSUV tinha mais cadeiras na Assembleia se a oposição conseguiu mais votos.

 

A Associação de Imprensa Estrangeira (APEX, na sigla em espanhol) pediu hoje que o Poder Executivo tivesse "respeito" aos correspondentes após a discussão.

 

Segundo o Ministério de Comunicações do país, existe na Venezuela "uma liberdade de expressão irrestrita", e Chávez fez "uma crítica respeitosa a uma questionadora tendenciosa", no uso de um "direito que todo cidadão tem, inclusive o presidente da República".

 

O Ministério disse esperar que "a APEX não se preste a participar da vida nacional como mais um ator político, mas sim que seus membros desenvolvam seu trabalho de todos os dias com total respeito às instituições e à ética jornalística".

 

Segundo o órgão, o governo fez "essas declarações no marco da discussão democrática, sem tomar, em nenhum caso, ações contra jornalistas. Não é prática do presidente nem do governo que dirige".

 

RCN

 

A emissora, uma das maiores da Colômbia, afirmou hoje em comunicado ter considerado a pergunta "pertinente, interessante do ponto de vista jornalístico para nossa audiência e sem nenhum objetivo diferente ao de levar informação pontual aos ouvintes".

 

A rádio também questionou que o Ministério de Comunicações tenha tachado a pergunta como "tendenciosa": "não compartilhamos esse qualificativo, como tampouco os questionamentos às motivações de nossa correspondente (...)".

 

"Esperamos que, como aponta o ministério em seu comunicado, ela seja tratada como jornalista e sem nenhum tipo de restrição ao seu trabalho, concluiu a RCN.

 

Com Efe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.