Governo colombiano busca representantes das Farc na Europa

Nomes de 8 estrangeiros a serviço da guerrilha apareceram no computador do conhecido como 'Raúl Reyes'

Efe,

03 de agosto de 2008 | 15h51

O governo colombiano ativou uma "operação de busca e captura por toda Europa" de oito estrangeiros supostamente relacionados com o movimento guerrilheiro das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), assinala neste domingo, 3, o jornal de Bogotá El Tiempo. O jornal aponta que quatro espanhóis, um dinamarquês, dois italianos e um australiano "são alvo de uma batida internacional", que envolveu recentemente a espanhola María Remedios García Albert, conhecida como "Irene". Os nomes dos oito estrangeiros a serviço deste grupo armado apareceram no computador do conhecido como "Raúl Reyes", segundo no comando das Farc que morreu após um bombardeio de tropas colombianas a um acampamento ilegal desse grupo em solo equatoriano, em 1º de março. "O organograma já foi entregue a todas as centrais policiais européias", explica o El Tiempo. O diário ressalta que, "segundo um relatório confidencial das autoridades espanholas, a ligação de seus quatro cidadãos com as Farc é uma 'dependência aproximada beirando a integração'". O relatório também destaca o trabalho do dinamarquês, sobre quem foi dito que é "um dos membros mais influentes, ativos e procurados desta legião estrangeira". O El tiempo destaca, além disso, que "os braços deste pequeno Exército estrangeiro recrutado pelas Farc também chegaram até a Austrália", e aponta que "lá está um homem que nas mensagens de 'Reyes' aparece com o apelido de 'Carlos Vlaudín'". Oficiais de inteligência colombiana buscam "um canal através da Interpol para ter plena certeza de sua identidade (do australiano) e atividades favoráveis ao grupo guerrilheiro", afirma o El Tiempo. Segundo o jornal, algumas das atividades de essa legião estrangeira das Farc foram de lobby e vários "destes oito legionários visitaram o Parlamento europeu, o Fórum Social Mundial, partidos políticos e até mesmo o Vaticano".

Tudo o que sabemos sobre:
Farc

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.