Governo colombiano e Farc começam diálogo na segunda-feira em Cuba

O governo da Colômbia e a guerrilha Farc começarão na segunda-feira uma nova negociação de paz em Cuba, rodeada de moderadas expectativas depois de um histórico de fracassos nas tentativas de pôr fim ao sangrento conflito de quase meio século.

Reuters

16 de novembro de 2012 | 21h53

O confronto custou milhares de vidas e provocou o deslocamento de milhões de pessoas, entre diferenças políticas que as partes não conseguiram resolver em outras tentativas anteriores, a última entre 1999 e 2002.

O início das negociações estava inicialmente previsto para a quinta-feira desta semana, mas foi adiado para acertar de últimas hora detalhes "técnicos".

O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, que começou em segredo o processo de diálogo há quase dois anos, diz que há razão para um "otimismo moderado", mas as autoridades também advertiram para expectativas pouco realistas.

O governo e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) negociarão uma agenda de cinco pontos, que inclui desenvolvimento agrário integral, garantias para o exercício da oposição política, fim do conflito, luta contra o narcotráfico e compensação às vítimas.

Apesar dos fracassos do passado, analistas esperam que o diálogo seja focado mais em sinais de maior flexibilidade de ambas as partes e uma necessidade compartilhada de frear os enfrentamentos armados.

(Reportagem de Jeff Franks)

Tudo o que sabemos sobre:
CUBAFARCDIALOGO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.