Governo da Colômbia mobiliza 350.000 efetivos para 2º turno das eleições

Segundo ministro de Defesa, autoridades estão em alerta máximo por possibilidade de ataques das Farc

Efe,

16 de junho de 2010 | 17h32

BOGOTÁ- O governo colombiano anunciou nesta quarta-feira, 16, a mobilização de 350.000 militares e policiais para garantir a segurança do segundo turno das eleições presidenciais, que ocorrerão neste domingo no país.

 

Veja também:

listaPerfil: Juan Manuel Santos, herdeiro do uribismo

listaPerfil: Antanas Mockus, o azarão excêntrico

 

O ministro de Defesa, Gabriel Silva, afirmou que um investimento "muito grande" foi feito, cerca de 70 bilhões de pesos (US$ 35,9 milhões), com o objetivo de que as eleições se desenvolvam pacificamente.

 

Silva fez estas declarações após uma reunião de três horas com as autoridades eleitorais e os altos militares e policiais para analisar o mapa do risco do domingo.

 

O ministro disse que 6% dos municípios colombianos têm risco extraordinário e 5% risco alto, motivo pelo qual haverá medidas de segurança especiais nessas zonas.

 

Apenas 74 postos de votação dos cerca de 74.000 que funcionarão no domingo não estarão cobertos pela operação de segurança, porque são totalmente seguros, de acordo com Silva.

 

Segundo o ministro, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) pretendem perpetrar atentados e por isso as autoridades estão em alerta máximo, para prevenir qualquer alteração durante a jornada eleitoral.

 

Cerca de 30 milhões de colombianos estão convocados neste domingo para o segundo turno eleitoral, no qual competem Juan Manuel Santos, candidato do Partido da "U", do atual presidente Álvaro Uribe, e Antanas Mockus, ex-presidente de Bogotá do Partido Verde. O voto não é obrigatório na Colômbia.

 

A presidente do Conselho Eleitoral, Adelina Cobo, pediu aos colombianos que não permitam que a Copa do Mundo interfira em seu direito de votar. "Convido os colombianos que saiam para votar, porque isso sustenta a democracia; podemos gravar os partidos, mas não votar no dia seguinte", disse a magistrada.

 

Para 20 de junho, estão previstas três partidas: Brasil X Costa do Marfim, do grupo G; Eslováquia X Paraguai, do grupo F; e Itália X Nova Zelândia, do grupo F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.