Governo da Venezuela corta três zeros da moeda

A Venezuela abriu o Ano Novo ajustandosua moeda, o Bolívar, em um esforço do governo do presidenteHugo Chávez para combater a maior inflação do hemisférioocidental. A taxa de câmbio oficial agora é de 2,15 bolívares pordólar, comparada com a taxa anterior de 2.150 bolívares pordólar. A mudança não significa uma desvalorização da moeda jáque os preços de produtos em bolivares devem ser reduzidos nomesmo montante. Os partidários da mudança dizem que ela vai facilitar acontabilidade e conter a inflação de 20,7 por cento em 12 mesesaté novembro, embora os críticos classifiquem a mudança como"cosmética", que não se combate as causas da instabilidade dospreços na nação. "Isso vai nos dar expectativas favoráveis... em uma batalhaque todos os venezuelanos devem travar para controlar ainflação, para fortalecer nossa moeda", disse o ministro dasFinanças, Rodrigo Cabezas, em uma entrevista com a TV públicana véspera da mudança. Economistas dizem que a conversão monetária vai causarconfusão e até inflação nos combustíveis como resultado doarrendondamento dos preços, e que o governo tem que reduzir aliquidez monetária e diminuir os gastos com as receitasrecordes de petróleo para controlar os preços aos consumidores. Os líderes do governo dizem que a medida vai ter um efeitopsicológico positivo nos consumidores por demonstrar a força dobolívar. A inflação da Venezuela em 2006 foi 17 por cento e atingiu18,6 por cento entre janeiro e novembro de 2007. O ministro das Finanças disse que novas notas estariamdisponíveis em alguns estabelecimentos e caixas eletrônicos naterça-feira. O governo vai trocar lentamente as notas e asmoedas nos próximos meses. (Reportagem de Fabian Cambero)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.