Arquivo/Reuters
Arquivo/Reuters

Governo da Venezuela toma fazenda do dono da Globovisión

Autoridades afirmaram estar fazendo 'redistribuição de terras'; canal é o único opositor a Chávez

AP,

29 de julho de 2010 | 18h19

CARACAS- As autoridades do Instituto Nacional de Terras (INTI), ocuparam, com o apoio de militares, uma propriedade rural do presidente do canal Globovisión, Guillermo Zuloaga, no estado ocidental de Apure, informou nesta quinta-feira, 29, sua representante legal.

 

Veja também:

linkVenezuela pede julgamento de advogada do dono da Globovisión

 

A advogada Perla Jaimes disse à Globovisión que membros do INTI e da Guarda Nacional "tomaram" um rancho do maior acionista do único canal que faz oposição ao presidente Hugo Chávez. Segundo Jaimes, as autoridades alegaram que estavam fazendo uma "redistribuição de terras".

 

"Isto faz parte de outra investida que vêm fazendo contra o presidente da Globovisión", disse a advogada ao garantir que a propriedade do empresário foi "reconhecida pelo INI em 2006", logo após sua compra.

 

"Há um registro onde afirmam que essa é uma propriedade particular que foi paga pela família Zuloaga", acrescentou Perla, que foi acusada nesta semana pela Procuradoria Geral do crime de "impedimento" da Justiça durante uma busca realizada em outra propriedade do dono da Globovisión.

 

Um tribunal venezuelano ordenou no mês passado a prisão de Zuloaga e seu filho de mesmo ano pelo armazenamento de 24 veículos em uma de suas propriedades. Ambos foram acysados de "usura" e associação criminosa.

 

Zuloaga, que está nos Estados Unidos, negou as acusações e denunciou que o processo contra ele tem motivação política, por causa da linha editorial adotada pela Globovisión. Ele já disse que não se apresentará à Justiça venezuelana por temer um julgamento injusto.

 

Um tribunal está analisando o pedido de extradição que foi feito contra Zuloaga pela Procuradoria venezuelana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.