Governo de facto diz que estado de sítio termina até quarta

Micheletti confirma recuo sobre decisão tomada na noite de domingo após desaprovação da sociedade

Denise Chrispim Marin, enviada especial de O Estado de S. Paulo,

29 de setembro de 2009 | 15h34

O governo de facto de Honduras informou nesta terça-feira, 29, à Organização dos Estado Unidos (OEA) que entre terça e quarta vai retirar o decreto executivo que instaurou o estado de sítio do último final de semana.

 

Veja também:

linkEmpresários de Honduras apresentam solução para crise do país

linkAmeaças contra embaixada são 'inaceitáveis', diz chefe da ONU

linkDivergência entre Brasil e EUA sobre Honduras expõe racha na OEA

linkMicheletti já admite rever estado de sítio 

link''Estado de exceção deve prolongar crise'' 

linkEntrevista Aliás: Gigante ou anão diplomático?

lista Ficha técnica: Honduras, pobre e dependente dos EUA

lista Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda

especialCronologia do golpe de Estado em Honduras

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

mais imagens Veja galeria de imagens do retorno

video TV Estadão: Jornalistas do 'Estado' discutem impasse

video TV Estadão: Ex-embaixador comenta caso Zelaya

 

Uma representante da OEA está no país desde domingo, 27, com a função de facilitar as conversas entre o governo de facto e os aliados do presidente Manuel Zelaya. Ele também acompanha as reuniões entre os representantes da sociedade civil, Igreja e setores empresariais com vistas à eleição de novembro.

 

Micheletti havia dado indícios de que recuaria em relação ao estado de sítio ainda na segunda-feira, menos de 24 horas depois de decretá-lo. Após um encontro com o presidente do Congresso Nacional, José Saavedra, e representantes de quatro partidos, o presidente interino pediu desculpas à população pelas drásticas medidas e informou que o submeteria a decisão à avaliação da Corte Suprema e do Tribunal Superior Eleitoral, já que o estado de sítio inviabilizaria a realização das eleições de 29 de novembro.

 

Anunciado na noite de domingo, o decreto provocou reações no Congresso, em especial dos partidos Nacional e União Democrática. O presidente do Comitê para a Defesa dos Direitos Humanos, Andrés Pavón, aliado de Zelaya, entrou com uma acusação contra o governo de facto no Ministério Público após a invasão dos meios de comunicação e apresentou à Corte Suprema uma ação de inconstitucionalidade contra o decreto.

 

Também na segunda-feira, o governo de Micheletti voltou atrás sobre a decisão de não aceitar a delegação da OEA no país. Anteriormente, o presidente interino havia ordenado a expulsão de quatro representantes do órgão que tentavam desembarcar em Honduras, mas a chancelaria anunciou que convidou a representação da OEA a visitar o país no dia 7.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.