Governo de Piñera completa três meses aprovado por 54% dos chilenos

Estudo, porém, mostra que 68% da população deseja o retorno da presidente Michelle Bachelet

Associated Press

23 de junho de 2010 | 16h09

SANTIAGO - Uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira, 23, indica que 54% dos chilenos aprova a gestão do presidente Sebastián Piñera, que está no poder há três meses. O estudo mostra, porém, que 68% deseja o retorno da antiga presidente, Michelle Bachelet, mais alinhada à esquerda.

 

O nível de aprovação de Piñera é inferior ao que os quatro presidentes anteriores apresentavam. Bachelet, que deixou o cargo no último dia 11 de março, pouco tempo depois de o país ser devastado por um terremoto, teve no mesmo período aprovação de 65%.

 

O estudo, realizado pelo Centro de Estudos da Realidade Contemporânea (Cerc), é o primeiro realizado desde que Piñera assumiu o poder e mostra que 33% dos entrevistados não está de acordo com o presidente. "Em comparação à aprovação dos presidentes anteriores, o nível de Piñera é baixo", disse o diretor do Cerc, Carlos Hunneeus.

 

O pesquisador afirmou que esse nível de aprovação tem a ver com o que Piñera tinha antes de ser eleito com o nível que a direita chilena tradicionalmente acumula. Também influiu sobre o número a série de erros verbais que o presidente cometeu em seus discursos.

 

Nas regiões do centro-sul do país, a mais afetada pelo terremoto e pelo tsunami de 27 de fevereiro, a popularidade de Piñera alcançou 48%, enquanto Huunneeus diz que, em relação a Bachelet, o fenômeno "não teve nenhum efeito".

 

A pesquisa também mostrou que 39% dos entrevistados considerou boa ou muito boa a gestão da coalizão centro-esquerdista dos últimos 20 anos. O governo do período foi considerado regular por 45% e ruim por 12%.

 

O levantamento foi feito em todo o país entre 24 de maio e 6 de junho com 1.200 pessoas e tem uma margem de erro de 3%.

Tudo o que sabemos sobre:
ChilePiñeraBachelet

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.