Governo do Equador usa twitter para se comunicar com a população

Mensagens foram postadas para informar cidadãos sobre a rebelião policial que paralisou o país

estadão.com.br,

30 de setembro de 2010 | 22h51

SÃO PAULO- O governo do Equador utilizou a rede de miniblogs Twitter para se comunicar com a população sobre a rebelião policial que paralisou o país nesta quinta-feira, 30.

 

Veja também:

blog Radar Global: acompanhe a crise minuto a minuto

mais imagens Galeria de fotos: veja imagens dos protestos

som Território Eldorado: Situação tranquila nas ruas, diz embaixador brasileiro

 

Às 16 horas, aproximadamente, na página oficial da presidência da república do Equador, foi anunciado o estado de exceção no país.

 

"Governo declara estado de Exceção #Ecuador #30S", dizia o post.

 

O nome do presidente equatoriano "Rafael Correa" chegou a segunda posição nos trending topics (tópicos mais utilizados pelos usuários) mundiais de hoje. No começo da noite, no entanto, o tópico já havia caído para a quinta posição.

 

O presidente do México, Felipe Calderón, também enviou mensagem de expressando preocupação com relação a situação que passa o Equador, às 17h. "México expressa sua preocupação pelos fatos ocorridos hoje no Equador, que podem afetar a vida institucional nesse país irmão", disse Calderón.

 

Pouco antes do anúncio de estado de exceção no Equador, feito via twitter, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, publicou mensagem de apoio ao colega. "Estão tentando derrubar o Presidente Correa. Alerta aos povos da Aliança Bolivariana! Alerta aos povos da UNASUL! Viva Correa!!", escreveu o venezuelano.

 

Leia mais:

linkCorrea rejeita negociar com rebeldes enquanto esteja preso em hospital

linkCorrea acusa oposição de tentar derrubá-lo

linkOEA condena tentativa de alterar 'ordem democrática' no Equador

linkChávez anuncia reunião de emergência da Unasul na Argentina

linkComunidade internacional condena revolta militar no Equador

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.