Governo do México pede que nenhum setor negocie com o narcotráfico

Chamado foi feito após jornal de Ciudad Juárez ter pedido trégua a grupos criminosos em editorial

AP,

20 de setembro de 2010 | 22h52

CIDADE DO MÉXICO- O governo do México pediu nesta segunda-feira, 20, que todos os setores da sociedade evitem pactos ou negociações com criminosos, um dia depois que o principal jornal da violenta Ciudad Juárez pediu uma trégua aos cartéis que disputam o controle do narcotráfico na cidade devido ao assassinato de um de seus fotógrafos.

 

Veja também:

linkMéxico já identificou 14 suspeitos de participar da chacina de 72 imigrantes

lista Saiba mais sobre o tráfico de drogas no México

 

Alejandro Poiré, porta-voz do governo federal para temas de segurança, disse em coletiva de imprensa que as investigações apontam que o crime foi cometido por motivos pessoais, e não profissionais, e afirmou que pactuar com grupos criminosos não diminuirá a violência e só faria com que se submetessem a ela.

 

"Não cabe de modo algum por parte de nenhum setor pactuar, promover uma trégua ou negociar com os criminosos, que são justamente os que provocam a angústia da população, os que geram os sequestros, os que extorquem, os que assassinam", disse o porta-voz.

 

Mesmo assim, o funcionário reiterou que o governo condena qualquer ataque contra trabalhadores dos meios de comunicação.

 

Poire comentou que a Procuradoria Geral da República também investiga o crime contra o fotógrafo, mas disse que as autoridades estaduais já indicaram que o motivo seria "de índole pessoal e não por suas atividades profissionais".

 

O porta-voz acrescentou que as autoridades estão comprometidas em enfrentar a insegurança de Juárez, o que considerou que também "deve ser (compromisso) de todos os atores da sociedade".

 

Trégua

 

"Já não queremos mais mortos. Já não queremos mais feridos, nem tampouco mais intimidações. É impossível exercer nossa função nestas condições. Nos indiquem, portanto, o que esperam de nós", publicou o jornal El Diário de Juárez em seu editorial de domingo.

 

O diário já havia sofrido outros ataques, sendo que o último ocorreu na quinta, quando um grupo armado disparou contra os fotógrafos Luis Carlos Santiago, de 21 anos, que morreu na hora, e Carlos Sánchez, que está gravemente ferido.

 

O periódico pediu que os cartéis o expliquem qual tipo de informação querem ver publicada, para saber no que precisa prestar atenção e consiga estabelecer uma trégua, porque não quer que seus jornalistas sejam agredidos.

 

Segundo a Comissão Nacional de Direitos Humanos (CNDH), o homicídio de Santiago elevou a 65 a cifra de jornalistas assassinados no país desde o ano 2000.

 

Em um recente relatório sobre a liberdade de expressão, a ONU e a OEA concluíram que o México é o país mais perigoso para exercer o jornalismo das Américas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.