Efe/Mauricio Duenas
Efe/Mauricio Duenas

Governo dos EUA pressiona as Farc a libertarem todos os seus reféns

Guerrilha já advertiu que liberação de cativos, agora, só ocorrerá com troca por prisioneiros do grupo

31 de março de 2010 | 17h28

Efe

 

WASHINGTON- O governo dos Estados Unidos pediu nesta quarta-feira, 21, a liberação de todos os reféns em poder das Farc, e afirmou estar satisfeito com a entrega dos militares Pablo Emílio Moncayo e Josué Daniel Calvo.

 

Veja também:

Moncayo teve leishmaniose seis vezes em quanto foi mantido refém

Farc entregarão restos mortais de militar na quinta-feira

Após libertação de Moncayo, Farc fica com 21 reféns passíveis de troca

 

"Os Estados Unidos saúdam a liberação dos reféns Josué Calvo e Pablo Emilio Moncayo e enviamos nossos melhores desejos a eles e a suas famílias", disse o porta-voz adjunto do Departamento de Estado, Mark Toner, em sua coletiva de imprensa diária.

 

Além disso, Toner incitou a guerrilha a liberar os outros reféns que ainda continuam em cativeiro. "Continuamos urgindo as Farc a liberar todos seus sequestrados restantes", disse o porta-voz, que garantiu que o governo Obama apoia os esforços do presidente Álvaro Uribe de assegurar a "liberação segura de todos os reféns".

 

O sargento Pablo Emílio Moncayo foi liberado na terça-feira após doze anos em poder da guerrilha, em uma bem-sucedida operação humanitária que também mediou a entrega do soldado Josué Daniel Calvo no domingo.

 

As Farc advertiram que esses serão os últimos reféns que libertarão unilateralmente. A partir de agora, a guerrilha só soltará cativos em troca de prisioneiros membros da guerrilha.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcliberaçãorefénsMoncayo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.