Governo eleva para 30 número de mortos na Bolívia

Grupos de opositores autonomistas se enfrentaram com simpatizantes de Evo na quinta-feira em Pando

Efe,

14 de setembro de 2008 | 04h53

O governo da Bolívia elevou neste sábado, 13, para cerca de 30 o número de pessoas que morreram no confronto armado entre civis ocorrido na quinta-feira na região de Pando, que se encontra em estado de sítio. Veja também:Entenda os protestos da oposição na BolíviaFilas se formam em frente às distribuidoras de gás  Imagens das manifestações  Lula confirma presença em reunião da UnasulChávez aproveita deterioração diplomática dos EUA  Em entrevista coletiva, o ministro de Governo (Interior), Alfredo Rada, afirmou que o número de vítimas "se aproxima de 30" e insistiu em que se trata do "maior massacre" ocorrido durante a democracia na Bolívia. Rada confirmou o achado de outros dez corpos nos montes e no rio próximos à localidade de Porvenir, onde na quinta-feira grupos de opositores autonomistas se enfrentaram com simpatizantes do governo de Evo Morales. A maioria dos mortos, segundo o governo, é de camponeses que foram "massacrados" e "crivados de balas" por pessoas que pertencem à Prefeitura (Governo) de Pando, cujo titular é o opositor Leopoldo Fernández. Rada compareceu perante os jornalistas para responder ao comunicado dos perfeitos regionais opositores de Santa Cruz, Beni e Tarija, que advertiram neste sábado romper o diálogo com o governo se houver um só morto ou mais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.